mulheres mortas na Amazônia
mulheres mortas na Amazônia

O massacre que ninguém comenta: mulheres são escravizadas e mortas na Amazônia

Na Amazônia está ocorrendo um verdadeiro massacre, cujas vítimas são mulheres indígenas, que se tornaram escravas e depois mortas pelos lobbies. Fala-se de milhares de vítimas por ano. Quem denuncia é o Vaticano.

Ninguém fala sobre isso. Mesmo os países sul-americanos afetados pelo problema (Brasil, Bolívia, Peru, Equador, Venezuela, Colômbia) estão se fazendo de surdos. Ainda assim, milhares de mulheres indígenas têm sido vítimas de violência, escravizadas e mortas na Amazônia todos os anos. A denúncia do massacre está escrita com todas as letras no Instrumentum Laboris do Sínodo sobre a Amazônia. O documento preliminar foi elaborado pelo Vaticano por ocasião do encontro, marcado para o próximo outono europeu (quando no Brasil é primavera), em que se falará sobre esse território atingido por modernos “conquistadores”.

O texto assim se refere ao caso das mulheres:

“Elas são vulneráveis a ameaças de setores agroindustriais e àqueles que exploram ilegalmente minerais, madeira e outros recursos naturais. Também são vítimas do tráfico de drogas, de mega projetos de infraestrutura, como usinas hidrelétricas e rodovias internacionais, e de atividades ilegais vinculadas ao modelo de desenvolvimento extrativista”.

Outro trecho do documento diz:

“O risco de violência contra as mulheres desses povos aumentou devido à presença de colonos, comerciantes de madeira, soldados, funcionários de empresas de mineração, em sua maioria homens. Em algumas regiões da Amazônia, 90% dos indígenas mortos em populações isoladas eram mulheres. Tal violência e discriminação têm um sério impacto na capacidade desses povos indígenas de sobreviver, tanto física quanto espiritual e culturalmente”.

Essas mulheres, entre outras coisas, muitas vezes são verdadeiras combatentes da primeira linha, comprometidas em salvaguardar corajosamente seu território e sua cultura de agentes inescrupulosos que exploram todos os recursos da Amazônia, incluindo suas populações. Mulheres de todas as gerações protestam contra a perfuração da indústria petrolífera, o desmatamento da floresta tropical, a desertificação, a mineração de ouro, etc.

Já falamos várias vezes sobre como os povos indígenas estão cada vez mais fracos e relegados à marginalidade em seu próprio território, quando não caçados por causa dos interesses dos lobbies. Desta vez, no entanto, a acusação é ainda mais grave: o próprio Papa Francisco falou a respeito quando visitou Puerto Maldonado.

Fala-se de violência real contra as mulheres e, de fato, nasceu uma rede de prostituição na qual, entre os protagonistas inocentes, também haveria escravos infantis ou adolescentes. A situação dramática também é culpa do corte orçamentário para a proteção das terras indígenas, motivo que facilitou a invasão desses territórios. O Vaticano, portanto, pede aos governos que garantam os “recursos necessários para a efetiva proteção dos povos indígenas isolados”.

Alguém realmente se preocupa em garantir a dignidade e os direitos humanos para essas mulheres que são tão vulneráveis quanto fortes e corajosas? Ou elas terão que agir sozinhas?

Talvez te interesse ler também:

PARQUE INDÍGENA DO XINGU: VIDA, TRADIÇÕES E CULTURA

IMÓVEL RURAL PARTICULAR DENTRO DO PARQUE INDÍGENA DO XINGU TEM REGISTRO CANCELADO PELA AGU

LÍDER ÍNDIGENA RAONI CONSEGUE APOIO DA FRANÇA PARA PROTEGER A AMAZÔNIA

Sobre Redação GreenMe

Redação GreenMe
greenMe.com.br é um site de informação sobre meio ambiente e saúde, criado para levar ao grande público, a consciência de que um mundo melhor é possível, através de um comportamento respeitoso com todas as formas de vida.

Veja Também

Mineração em terras indígenas

Governo aprova exploração de minério na Amazônia

Existem mais de três mil requerimentos para explorar minérios em terras indígenas na Amazônia à …