Pedido de Retratação: Missão Novas Tribos do Brasil não teve relação com a morte dos povos Zo’é no Pará

Pedido de Retratação: Missão Novas Tribos do Brasil não teve relação com a morte dos povos Zo’é no Pará

No dia 3 de fevereiro deste ano, o GreenMe publicou, sob o título “Repúdio ao plano genocida de evangelização dos povos indígenas isolados do Brasil”, uma matéria com o intuito de informar os seus leitores sobre a nomeação de Ricardo Lopes Dias para comandar a Coordenação Geral de Índios Isolados e de Recente Contato (CGIIRC) da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Lopes Dias é um antropólogo e ex-missionário da Missão Novas Tribos do Brasil (MNTB), uma entidade conhecida por realizar um trabalho evangelizador junto a povos originários, dentre eles, indígenas brasileiros.

A nomeação de Lopes Dias foi recebida com muita preocupação por ativistas e lideranças indígenas, como informou o GreenMe através da divulgação de notas de repúdio emitidas por diversas entidades, como a Survival Brasil, a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e a Associação dos Povos indígenas do Brasil (Apib).

Com base em fontes como Survival Brasil, BBC News Brasil e El Pais (fontes linkadas no texto), o GreenMe divulgou a informação de que o povo zo’e havia sido dizimado pelo contato estabelecido com os missionários da MNTB, que teriam levado doenças, como gripe e malária, para essa comunidade. Além disso, com base em dados divulgados pela Survival Brasil, foi divulgado que a MNTB estaria envolvida com a morte de indígenas paraguaios nas décadas de 1970 e 1980.

O GreenMe foi procurado pelos representantes legais da Missão Novas Tribos do Brasil para fazer um pedido de retratação em relação a essas informações divulgadas, por serem consideradas pela entidade inverídicas, visto que ela não tem qualquer responsabilidade sob as mortes investigadas, segundo apurado pelas autoridades competentes pelo Processo nº 2000.39.02.0001859-0/IPL Nº 085/98-DPF.B/SNM/PA.

No pedido de retratação recebido pelo GreenMe, a MNTB informa um trecho do supracitado processo no qual o Ministério Público conclui que não houve qualquer relação das mortes dos indígenas zo’e com a referida entidade:

“Pelo exposto, esta autoridade não encontrou provas suficientes para que pudesse concluir que a presença da MNTB na região teria ocasionado a morte da população ZO’É, ou seja, não existe comprovação da relação de causalidade entre a ação da MNTB e o resultado morte dos índios ZO’É”.

O GreenMe informa que não teve acesso ao referido processo, mas entende que a MNTB tem o direito de resposta e retratação ante os fatos divulgados pelo próprio GreenMe com base em notícias e reportagens dos veículos de comunicação que serviram de fonte para o artigo “Repúdio ao plano genocida de evangelização dos povos indígenas isolados do Brasil”.

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *