Demarcação de terras indígenas é competência da FUNAI, decide por unanimidade o STF

  • atualizado: 
terras indígenas

Ontem, quinta-feira, 1, o presidente Jair Bolsonaro foi derrotado pelo STF em sua tentativa de passar para o Ministério a Agricultura a atribuição para demarcar terras indígenas.

"O principal argumento para barrar a transferência das demarcações foi o de que o presidente da República não pode editar duas vezes no mesmo ano legislativo medidas provisórias tratando do mesmo tema", o que é proibido pela Constituição Federal.

Bolsonaro já havia tentado retirar da FUNAI a competência de demarcar terras indígenas na Medida Provisória 870/19, que alterava a estrutura do Poder Executivo federal e que, entre outras mudanças, deixava ao Ministério da Agricultura atribuições relativas à política indigenista. Esta MP tramitou no Congresso Nacional que decidiu por manter a FUNAI ligada ao Ministério da Justiça, e com a atribuição de demarcar terras indígenas.

O que foi portanto considerado pelos ministros do STF agora, nem foi a legalidade da transferência de uma competência da FUNAI a um outro Ministério, e sim a ilegalidade do governo em editar uma segunda medida provisória que se sobrepõe à decisão anterior do Congresso, o que demonstra "autoritarismo" e "transgressão" do presidente à Constituição Federal, conforme considerou o ministro Celso de Mello.

Veja a reportagem completa no Jornal da Justiça:

Talvez te interesse ler também:

BOLSONARO QUESTIONA ASSASSINATO, MAS MPF ABRE INVESTIGAÇÃO PARA APURAR MORTE DO CACIQUE EMYRA WAJÃPI

PARE O MASSACRE: ASSINE A PETIÇÃO DA SURVIVAL CONTRA O GENOCÍDIO INDÍGENA

AS RARAS IMAGENS DE UMA TRIBO INDÍGENA ISOLADA AMEAÇADA PELOS MADEIREIROS DE BOLSONARO

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!