Paulínia dá exemplo na coleta e gerenciamento do lixo

Paulínia dá exemplo na coleta e gerenciamento do lixo

Uma boa notícia para quem torce pelos avanços da sustentabilidade no Brasil: o município de Paulínia, em São Paulo, tem o sistema mais moderno de coleta de lixo de todo o território nacional. Um sistema que dá certo e que deve ser copiado pelo resto do país.

O princípio da coleta de lixo em Paulínia

O grande conceito da coleta de lixo da cidade é o de criar uma consciência mais sólida nos cidadãos sobre o maior reaproveitamento possível do lixo reciclável. Com os avanços tecnológicos, é possível fazer a reciclagem de resíduos com máxima eficácia e segurança.

A priorização do serviço de coleta é sobre embalagens longa vida – ou seja, de leite, molho de tomate, suco etc – mas, na prática, acaba impactando positivamente sobre diversos outros materiais que demandam reciclagem, reaproveitando-os.

Como toda a cidade se reúne em torno do ideal da preservação do ambiente, o lixo acaba sendo um ponto fundamental para gerar resultados ambientais positivos; dessa forma, a sociedade local desenvolve uma consciência mais sólida a respeito da preservação dos recursos do planeta para as futuras gerações.

Como funciona a coleta de lixo em Paulínia?

O grande diferencial são as lixeiras instaladas na cidade. Tratam-se de estruturas profundas, que chegam a se alojar a até 2 metros abaixo do nível do chão. Paulínia é a primeira cidade da América Latina a contar com essa iniciativa. Nas lixeiras especiais, há uma separação entre lixo orgânico e reciclável.

A cidade já conta com 25 pares e as viagens de caminhões de coleta caíram pela metade, por conta da grande capacidade de armazenamento de detritos garantida pelas lixeiras. Ou seja, polui-se menos e realiza-se um melhor reaproveitamento do lixo não-orgânico.

O recolhimento do material depositado na lixeira é realizado em um período entre 2 a 3 minutos!

A rapidez da coleta se deve ao seguinte princípio: as lixeiras ficam sobre placas no chão. Imitando um piso, como espécie de calçamento, na verdade são partes que ocultam as caçambas, que ficam nos buracos, abaixo do chão. Com uma chave especial, os garis destravam as placas, revelando a caçamba com alças.

A seguir, acopla-se correntes à alça e o caminhão de lixo retira a caçamba do buraco e despeja o lixo em seu compactador. Enfim, a caçamba é recolocada no buraco e a tampa é fechada novamente. O lixo orgânico e o reciclável são carregados em caminhões diferentes.

As vantagens desse tipo de lixeira são, entre outras: o fato de o lixo ficar isolado e bem guardado, com resultado urbanístico elegante e superação de problemas como a ocorrência de chuvas que, normalmente, carregam os detritos até bueiros e outros escoadouros públicos, entupindo-os e causando enchentes.

Além disso, o lixo reciclável vai direto para as cooperativas de catadores de lixo – esse projeto prevê a geração de renda para esses trabalhadores, como contrapartida social.