Bolívia já proibiu o uso de peles e plumas no Carnaval. Veja como apoiar o mesmo no Brasil

  • atualizado: 
Carnaval Oruro Bolivia

Na Bolívia desde 2015 foi abolido o uso de peles, penas e plumas de animais nas fantasias de Carnaval do país, assim como o uso abusivo de água em brincadeiras carnavalescas.

Na época, esta resolução foi anunciada pelo Vice-ministério do Meio Ambiente, Biodiversidade e Mudança Climática proibindo "a comercialização e aglomeração de animais silvestres”, vivos ou mortos, ou elementos derivados deles, para comemorações do Carnaval, em nível nacional”.

A fiscalização da aplicação dessa Lei ficou por conta do Ministério do Meio Ambiente e Água e da Polícia Florestal do Meio Ambiente, visando controlar e confiscar qualquer produto  derivado de animais silvestres.

Segundo afirmação do vice-ministro de Meio Ambiente e Biodiversidade, Gonzalo Rodríguez, a aplicação dessa Lei é principalmente direcionada aos desfiles bolivianos.

No período que essa Lei foi implantada, Gonçalo Rodriguez explicou como seria  a fiscalização do cumprimento dela:

"As brigadas serão deslocadas em todo o país para evitar a posse ilegal, o comércio e a matança de animais selvagens que são prejudiciais ao ecossistema."

O Carnaval de Oruro, na Bolívia, reconhecido e declarado Patrimônio Oral e Intangível da Humanidade pela Unesco em 2001, e é um dos mais frequentados por bolivianos e turistas de outros países.

O governo boliviano e defensores do meio ambiente e dos animais expressaram por várias vezes a preocupação e o temor pela exploração e sofrimento imputados às espécies como:

  • os tatus peludos andinos (quirquinchos), cujas carapaças são usadas para fazer matracas (instrumento musical parecido com um chocalho) e utilizadas em alguns bailes tradicionais,
  • os flamingos-andinos, papagaios, tucanos e condores, cujas asas, penas e plumas eram arrancadas para vestir dançarinos de diversos desfiles.

Essa preocupação ainda continua, já que existem aqueles que continuam extraindo e comercializando matérias-primas, de forma ilegal, para serem utilizadas no Carnaval.
 
Em algumas regiões bolivianas, também era comum a brincadeira com água e espuma, comumente feitas com balões ou pistolas de brinquedo. Por isso, o Vice-ministério do Meio Ambiente, também, proibiu o uso indiscriminado de água no Carnaval e a brincadeira com espumas que contenham Hidroclorofluorcarbono 22 (R-22), por contribuir com a destruição da camada de ozônio e gerando prejuízos à saúde.

Uso de penas e plumas no Brasil

Aqui no Brasil, foi feita uma petição em 2017 contra o uso de penas e plumas de animais em fantasias carnavalescas que obteve 224.008 apoiadores, porém, as escolas de sambas continuam utilizando essas matérias-primas nas fantasias carnavalescas.

Em 2017, a Escola de Samba Águia de Ouro homenageou os animais, juntamente com a ativista e defensora dos animais Luisa Mell, mostrando que é possível fazer um belo desfile de Carnaval sem o uso de penas ou outras matérias-primas de origem animal.

Agora, em  2019, uma nova ação para acabar com o uso de penas e plumas nas fantasias carnavalescas foi iniciada no dia 25 de fevereiro, pelo deputado federal Célio Studart (PV-CE) que apresentou à câmara dos deputados um PL.

O Projeto de Lei 1097/2019 por ele apresentado prevê a proibição da utilização de penas e plumas, de origem animal na produção de fantasias e alegorias no Brasil, o que inclui o Carnaval, e ainda defende a cobrança de multa de R$ 5 mil até R$ 2 milhões para quem utilizar estes materiais.

Podemos ajudar a tornar realidade o fim do uso de penas e plumas de origem animal, dando apoio a este Projeto.

O Projeto de lei 1097/2019 tem por embasamento que as aves são seres sencientes, ou seja, têm capacidade de experimentar dor, frio, fome, sede e medo, por isso, é inadmissível ser conivente com esse tipo de prática  para a confecção de adereços para fantasias.

“Ainda mais quando existem opções sintéticas de produção exclusivamente industrial, sem utilizar animais, o que pode evitar com que sejam submetidos a essa crueldade. É possível manter a alegria carnavalesca de maneira mais ética, sem maltratar os animais”, esclarece Studart.

Como apoiar o PL pelo fim das penas animais

Para cada um de nós apoiar este o Projeto é só acessar o site da Câmara Legislativa dos Deputados, da seguinte forma:

Primeiro, clique neste => link PL 1097/2019 e em seguida clique no quadro à direita “O que você acha disso?” e confirmar => Apoio totalmente.

Para ajudar na divulgação da campanha é só clicar na opção “Compartilhar essa Enquete” para outras pessoas ficarem sabendo e apoiarem esse PL.

Até 07:30, do dia de hoje, 08/03/19, era esse o resultado da enquete:

Resultado Parcial da Enquete:

818 votos concordam totalmente com esse Projeto de Lei e correspondem a 96% da votação.

Vamos dar nosso apoio aos animais tornando realidade este Projeto! 

Sejamos as vozes daqueles que não sabem falar SOCORRO!

Talvez te interesse ler também:

FANTASIA COM 4.000 PENAS DE FAISÃO E PREÇO DE UM CARRO POPULAR: OSTENTAÇÃO DE DOR E SOFRIMENTO

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!