Cochonilha: porque deixar de consumir produtos que utilizam o corante extraído dela

  • atualizado: 
cochonilha

Vocês sabiam que vários alimentos industrializados são feito com insetos esmagados? Um dos corantes mais utilizados pela indústria alimentícia é o carmim, que é um pigmento vermelho produzido a partir da Cochonilha (Dactylopius coccus). Este corante confere aos produtos também outras cores como: marrom, laranja ou rosada.

O corante de cochonilha é utilizado em produtos como biscoitos, gelatinas, recheios de bolacha, iogurte, balas, pirulitos, sorvetes, licores, refrigerantes, chocolate, leite de soja de frutas, carnes processadas, geleias, sucos, rações de animais e muitos outros produtos.

E não é só em alimentos que este corante é utilizado, podemos encontrá-lo em outros produtos que utilizamos no dia a dia como: xampus, sombras, batons, sais de banho, tintas, corantes de roupas, detergentes, desinfetantes, medicamentos, verniz, cera, xaropes, comprimidos, etc.

Os corantes são substâncias que dão cor aos alimentos para ficarem mais atrativos para o paladar.

Para saber mais sobre a cochonilha e o corante carmim, serão tratados os seguintes assuntos:

 

1. Como e onde vive a cochonilha

A cochonilha é um inseto que gosta de se alimentar do cactos, gênero Opuntia. Ela mede de 3 a 5 milímetros de comprimento e pode ser nas vermelha, laranja, marrom, verde ou amarela.

Estes insetos vivem em algumas plantações, se alojando em frutos, raízes e folhas de diversas espécies de plantas.

Em algumas regiões se alimentam da seiva dos cactos.

Fazem parte da classe dos insetos da ordem Hemiptera, são parentes próximas das cigarrinhas, cigarras e dos pulgões.

Os predadores naturais da cochonilha são a joaninha e alguns tipos de vespa.

A cochonilha é um inseto típico de habitats da América Central, como México e Peru. O corante carmim consumido no Brasil é importado do Peru.

2. O massacre das cochonilhas

Bilhões de cochonilhas são mortas para produzir o corante carmim. Setenta mil fêmeas de cochonilhas são mortas para se obter meio quilo desse corante. 

Para dar cor à bola de sorvete de morango, são utilizados no mínimo 40 cochonilhas.

3. Como é extraído o corante a partir das cochonilhas

As cochonilhas são criadas em laboratórios ou em plantações de cactos cujo cultivo é voltado à criação da cochonilha visando produção e comercialização do corante carmim.

Seja como for, o processo de extração e produção do corante a partir das cochonilhas as submete a uma massacre.

Estes insetos são mortos aos milhares, em imersão em água quente ou por exposição ao calor de um forno, depois são assados, amassados e triturados apenas para dar cor aos produtos.

Outro fator é que estes corantes para serem produzidos são testados em animais, inclusive alguns corantes são cancerígenos.

Pessoas que praticam o Veganismo, ativistas e várias entidades em defesa dos direitos dos animais, condenam e boicotam o uso da cochonilha como corante.

4. Alternativas vegetais para obtenção de corantes

Existem alternativas vegetais para substituir o corante extraído da cochonilha, como frutas, flores, cascas de árvores, urucum, açafrão, a páprica, beterraba e uva.

Existem corantes como a antocianina produzida a partir de castas de frutas e flores.

Corantes de origem vegetal fornecem variadas cores como: vermelho, púrpura, azul, amarelo, laranja, verde, entre outras cores.

Leia mais: CORANTES NATURAIS: FAÇA VOCÊ MESMO UTILIZANDO INGREDIENTES COMUNS

5. Possíveis efeitos colaterais do consumo do corante carmim

Em pessoas alérgicas ou sensíveis à substância do corante carmim, podem ocorrer reações alérgicas ou choque anafilático.

O alergologista Dr. James L. Baldwin, da Universidade do Michigan (University of Michigan Medical Center), comprovou que o corante carmim provocou choque anafilático em um paciente após consumir um picolé roxo.

O resultado dessa pesquisa sobre o corante carmim consta na edição de novembro 1997 do Annals of Allergy, Asthma and Immunology.

Outro alerta é que o consumo excessivos de corantes pode provocar distúrbios digestivos, metabólicos e neurológicos.

6. As várias denominações desse corante

Esse aditivo comumente é especificado na formulação dos produtos como:

  • corante natural carmim de cochonilha
  • corante natural
  • C.I. 75470
  • E 120
  • vermelho 3
  • carmim
  • cochineal
  • corante C.I
  • INS 120
  • corante natural ácido carmínico

7. O consumo do corante carmim é desnecessário para nós

Quando ficamos indiferentes ao que consumimos, sem procurar saber o que realmente faz parte da composição dos produtos, acabamos sendo coniventes com práticas fúteis e desnecessárias, como essa de matar milhares ou até bilhares de cochonilhas com a finalidade de colorir produtos artificiais para ficarem parecendo naturais.

Outro fator é que na maioria dos casos este corante é usado em produtos industrializados e processados, ou seja feitos com vários aditivos químicos, conservantes, estabilizantes, flavorizantes, aromatizantes e outros.

Conclusão prejudicamos as cochonilhas e nossa saúde!

Outro agravante é que existem outros corantes extraídos através da exploração e matança dos animais.

Existem outras opções de produtos mais naturais, sem conservantes e corantes. Pesquise e se informe e saiba o que realmente está consumindo.

Quanto mais nossa alimentação for saudável e natural, menos bombardeamos o nosso organismo com aditivos e mais preservamos os seres vivos e a natureza que são prejudicados pelo nosso consumismo artificial.

Talvez te interesse ler também: 

5 ADITIVOS DE ORIGEM ANIMAL: A CRUELDADE QUE VOCÊ NÃO ESPERA

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!