Garota de 13 anos descobre a solução para limpar os vazamentos de petróleo no mar

Garota descobre a solução para limpar os vazamentos de petróleo no mar

A natureza limpa-se a si mesma, mas com a ajuda das crianças. Ou melhor, o que os adultos destroem, os pequenos são capazes de salvar. Este é o resumo da história da garota norte-americana de 13 anos de idade, Chythanya Murali, que inventou uma solução para limpar as águas dos derramamentos de petróleo, com a ajuda de bactérias.

Desastres como o que atingiu o Golfo do México em 2010, com o enorme vazamento de petróleo da Deepwater Horizon, ou na costa do Alaska ocasionado pelo encalhamento do superpetroleiro Exxon Valdez, são difíceis de administrar. Restaurar as áreas atingidas ao seu estado original é uma verdadeira tarefa hercúlea. As enzimas utilizadas para a limpeza do óleo, em alguns casos, são comprovadamente mais prejudiciais do que benéficas para o ambiente, fazendo com que o remédio seja pior que o dano. Os números dizem tudo: em 2012, um estudo revelou que os agentes de limpeza usados para a dispersão do óleo no Golfo do México após o desastre, em combinação com o petróleo em si, deu origem a uma mistura 52 vezes mais tóxica para os pequenos animais e para o plâncton, do que o petróleo bruto.

Na ocasião, a pequena Chythanya seguia com interesse a história do vazamento de petróleo no Golfo do México, o que a levou a buscar uma solução iniciando um projeto científico para o caso. O resultado do seu trabalho foi um método pouco convencional mas muito eficaz e seguro para limpar os vazamentos de petróleo.

A solução de Chythanya é uma rica mistura de bactérias e enzimas que quebram as partículas do óleo e o converte em compostos inofensivos. Um processo natural que a menina quer usar para ajudar os ecossistemas marinhos se recuperarem mais rapidamente dos vazamentos de petróleo.

Chythanya concebeu o projeto para participar do Programa Broadcom MASTERS (Math, Applied Science, Technology and Engineering Rising Stars), no qual ela experimentou várias misturas de enzimas e bactérias que "comem petróleo", para ver como estas influenciariam o ambiente marinho.

De acordo com a pequena, a combinação de enzimas bioaditivas com bactérias, utilizada para a degradação do óleo na limpeza a longo prazo sobre os ecossistemas, nunca foi totalmente investigada. Para a garota, era natural tentar ver o que aconteceria e então, o experimento feito em um aquário comprovou que a combinação de seus agentes para limpar as camadas de petróleo seriam capazes de remover os venenos do ouro negro, preservando a saúde do ecossistema.

A menina está na final do concurso e prestes a receber o prêmio de 25 mil dólares para testar sua idéia em uma escala maior. "Eu decidi investigar os vários tipos de produtos químicos utilizados para a limpeza desses eventos e descobri que os produtos químicos utilizados para a limpeza de derramamentos de petróleo têm efeitos positivos e negativos sobre a vida marinha", disse. "Eu queria encontrar uma solução que não danificasse os ecossistemas."

A solução, mais uma vez, vem dos menores, como aconteceu com Boyan Slat que inventou uma maneira de limpar nossos oceanos do plástico, o Ocean Array Cleanup.

Leia também: Plástico: um garoto de 19 anos sabe como reduzir pela metade o lixo dos oceanos