Recorde de CO2 na atmosfera. Nunca antes uma concentração assim alta

  • atualizado: 
CO2 na atmosfera

Os poluentes que envenenam o ar que respiramos atingiram níveis recordes. Em particular, os níveis de CO2 alcançaram números nunca antes registrados, há milhares de anos. 

O novo alarme poluição do ar vem do boletim de emissões de gases de efeito estufa da Organização Meteorológica Mundial (OMM).

De acordo com o estudo, as concentrações de dióxido de carbono na atmosfera aumentaram em uma velocidade recorde em 2016, atingindo o nível mais alto dos últimos 800.000 anos. E as mudanças mais dramáticas dos últimos 70 anos não têm precedentes.

O relatório anual é baseado nas observações do Global Atmosphere Watch Program que monitora mudanças nos níveis de gases de efeito estufa, servindo como um sistema de alarme.

As concentrações totais de CO2 globais atingiram 403,3 partes por milhão em 2016, em comparação com 400,00 ppm em 2015 devido a uma combinação entre a atividade humana e o El Niño. Em termos percentuais, as concentrações de CO2 são agora 145% mais altas que as dos níveis pré-industriais (antes de 1750).

co2 wmo

E as consequências já são visíveis para todos. O crescimento rápido nos níveis de dióxido de carbono na atmosfera, e de outros gases de efeito estufa (GEE), resultará em uma série de mudanças sem precedentes no sistema climático, levando a graves problemas ecológicos e econômicos.

O crescimento populacional, a agricultura intensiva, o aumento do uso da terra e o desmatamento, a industrialização e o uso associado de combustíveis fósseis para a produção de energia, são os principais fatores que vêm contribuindo para o aumento das concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera.

"Sem fazer cortes rápidos na emissão de CO2 e de outros gases de efeito estufa, estamos indo em direção a um aumento da temperatura perigoso até o final deste século, bem acima da meta estabelecida pelo acordo em Paris sobre a mudança climática", disse o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas. "As gerações futuras herdarão um planeta muito inóspito".

Infelizmente, o CO2 permanece na atmosfera por centenas de anos e nos oceanos ainda mais tempo. Isto significa que haverá um aquecimento ainda mais extremo no futuro.

A última vez que a Terra experimentou uma concentração comparável de CO2 foi há 3-5 milhões de anos. A temperatura à época era 2-3°C a mais do que hoje em dia e o nível do mar era de 10-20 metros mais elevado do que o atual.

Não só CO2. Também metano e de óxido nitroso, outros dois importante de gases de efeito de estufa, atingiram níveis recordes.

O metano (CH4) é o segundo mais importante gás de efeito de estufa de longo prazo. Cerca de 40% é emitido a partir de fontes naturais e 60% vem de atividades humanas como a pecuária, a agricultura, a exploração de combustíveis fósseis, os aterros sanitários e a queima da biomassa. O metano atmosférico atingiu um novo nível de cerca de 1,853 partes por bilião (ppb) em 2016 e é 257% acima do nível pré-industrial em comparação com os níveis pré-industriais.

O óxido nitroso (N2O) é emitido na atmosfera seja de fontes naturais (cerca de 60%), que de fontes antropogênicas (cerca de 40%), incluindo os oceanos, o solo, a combustão da biomassa, o uso de fertilizantes e os processos industriais. A sua concentração atmosférica em 2016 foi de 328,9 partes por bilião, 122% em relação aos níveis pré-industriais. Ele também desempenha um papel importante na destruição da camada de ozônio que nos protege dos raios ultravioletas do sol.

"Os números não mentem, ainda estamos emitindo muito e esta tendência deve ser revertida. Os últimos anos têm visto um grande uso de energia renovável, mas temos de redobrar os nossos esforços para garantir que essas novas tecnologias de baixo carbono sejam capazes de prosperar, já temos muitas das soluções para enfrentar este desafio. é preciso tempo e vontade política global", disse Erik Solheim, responsável por meio ambiente nas Nações Unidas.

O boletim sobre as emissões de gases de efeito estufa será uma das bases científicas da nova conferência sobre mudança climática das Nações Unidas, que será realizada entre os dias 7 a 17 de novembro, em Bonn, Alemanha.

“Em dois dias, vimos como os níveis de dióxido de carbono subirem para níveis recordes em 2016, e como os governos de todo o mundo não estão respeitando as promessas feitas em Paris", disse Jennifer Morgan, diretora executiva do Greenpeace Internacional. "Não há mais tempo a perder. Furacões, inundações e secas só vão aumentar".

Leia também: O QUE VOCÊ PODE FAZER PARA REDUZIR AS EMISSÕES DE CO2?