Incêndios castigam parques estaduais do Rio de Janeiro

Incêndios castigam parques estaduais do Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro vem sendo atingido por incêndios de grandes proporções em ao menos dois de seus parques mais importantes: Parque Estadual da Pedra Branca, na Zona Oeste, e o Parque Estadual da Serra da Tiririca, que se estende por Maricá e Niterói, municípios vizinhos à capital.

Muito embora tenha havido empenho no combate ao fogo, o incêndio teve início no ultimo dia 11, e acabou por degradar uma área total de 25 hectares – ou dois estádios do Maracanã inteiros.

O foco inicial do incêndio foi a favela de Sandá, na região de Bangu, mas sem que as reais causas tenham sido desvendadas.

Infelizmente, o fogo também atingiu áreas que vinham sendo reflorestadas pela prefeitura "O Parque da Pedra Branca tem área total de 12.394 hectares e abrange mais de 10% do território do município do Rio de Janeiro. A estiagem prolongada propicia as ocorrências de incêndios florestais já que a vegetação seca aumenta os riscos de combustão”, conforme declaração oficial do Inea (Instituto Estadual do Ambiente).

Com área de 3.493 hectares de área marinha e terrestre, além de uma grande cadeia de montanhas, o parque da Serra da Tiririca não enfrenta nada melhor, e bombeiros – em total de quase 80 pessoas – atuaram no combate às chamas, além de um helicóptero para transporte de água.

O local que foi atingido, no parque, fica localizado em Pendotiba, na região oceânica de Niterói.

O forte calor que atinge a região sudeste neste verão tem levado a situação da água em São Paulo a riscos ainda piores do que se previra, ou ajudado a intensificar as queimadas no estado do Rio de Janeiro.

Geralmente, as queimadas e os incêndios estão ligados às ações humanas que vão desde o desmatamento e o uso do fogo na colheita da cana-de-açúcar aos balões das festas juninas. Infelizmente o calor puxa o fogo e o fogo puxa o calor. O desmatamento alterara o ciclo das chuvas e desequilibrando a temperatura no resto do país.

Leia também: Queimadas degradam a Amazônia

Fonte foto: freeimages.com