©Il Messaggero

Meia-calça desfiada vendida por 140 euros: a nova moda da Gucci

A Gucci está causando nas redes. Todo mundo quer comprar a meia-calça desfiada da marca, vendida pela bagatela de 140 euros (931 reais), só que não tem mais: é sold out!

E isto não é uma piada.

Apelidada de “meia-calça efeito usado”, a peça levantou calorosas discussões nas redes. Como pode? É um tapa na cara da pobreza!

Mas se a moda for de fato uma arte, a qual não raramente levanta discussões na sociedade, o diretor criativo da Gucci, Alessandro Michele, conseguiu causar.

Na verdade, todo mundo poderia ter “estilo” pegando uma simples tesoura e rasgando a própria meia!

A peça lembra a rebeldia punk. Enquanto muitos se envergonham de suas roupas rasgadas, furadas e velhas, os punks se orgulham de nadar contra a corrente não aceitando as regras do arrumadinho, limpinho e ordenado.

“Boas senhoras, não joguem mais fora sua meia-calça furada, basta dizer que é uma meia-calça Gucci de  €140”, escreveu um internauta chocado.

“Na verdade, sou um pouco mágico, sou capaz de transformar uma meia-calça Dim em meia-calça Gucci”, acrescentou outro, antes de dizer: “Vou começar a vender meia-calça rasgada, vale a pena! tem uma gaveta cheia.

“A Gucci pegou uma moça a caso que voltava de uma festa, tirou sua meia-calça e colocou à venda por 140 euro.”

Não é a primeira vez que as meias-calças punks estão na última e luxuosa moda. Em 2015, Hedi Slimane, então diretor artístico da Saint Laurent, apresentou uma coleção com inspiração punk – fetichista e vários modelos desfilaram com suas meias-calças rasgadas. Alexander Wang também causou ao usar meia-calça velha em seu desfile de 2008 como bem lembrou a Vogue Itália.

Se tem então uma lição nessa história, para nós é: seja você mesmo, não desperdice coisas porque estão velhas ou rasgadas: reutilize, doe, crie e adote o consumo consciente! A moda pode ser uma forma de expressão!

Talvez te interesse ler também:

Mundo pós-pandemia: “A semana de moda acabou”, declara a Gucci

Reciclagem de tecido existe: conheça iniciativas e veja como participar

Giorgio Armani, carta para o mundo da moda: “não quero mais trabalhar assim, precisamos desacelerar e acabar com o desperdício”

Sobre Daia Florios

Daia Florios
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP. É fundadora e redatora-chefe em GreenMe Brasil.

Veja Também

Cota racial histórica na SPFW: 50% dos modelos será afro ou indígena

Uma decisão histórica em um mundo branco (aliás, loiro), magro e alto. Esse ano vai …

One comment

  1. Avatar
    Marlene de Carvalho FERNANDES

    Quero viajar muito