Beterraba: alimento incrível para todos, inclusive diabéticos

Beterraba

Beterraba é um tubérculo doce. De algumas variedades, de cor branca, se extrai açúcar pois são ricas em sacarose. Porém, a beterraba vermelha, Beta vulgaris, não é proibida aos diabéticos.

Mitos alimentares

Há um mito que diz que tudo o que nasce embaixo da terra (beterraba, cenoura, mandioca e batata) são tubérculos que aumentam a glicemia porém, essa não é a verdade.

Apesar da beterraba ser doce, seu açúcar não é inadequado para quem sofre de diabetes desde que as quantidades ingeridas ao dia não sejam exageradas. Esse dimensionamento dependerá da sua taxa de glicose e do seu peso corporal e deverá ser avaliado pelo seu médico.

Os tubérculos (raízes comestíveis) contêm carboidratos que se transformam em açúcar (glicose) no nosso organismo. Quando usados em quantidades adequadas, são saudáveis e necessários a uma alimentação diversificada e completa.

betaerraba 2

Dose adequada

É suficiente que se coma uma dose por refeição (1 pires) de beterraba cozida ou crua, como salada ou fonte de carboidrato principal. O mesmo se indica para o consumo de cenoura.

A batata, mandioca, cará e inhame podem ser substitutos do arroz e macarrão na dieta do diabético

A beterraba é bastante rica como alimento, tem fibras, vitaminas e sais minerais e é indicada em casos de anemia, artrite e reumatismo, fortalece os tendões e ajuda a tratar de outras doenças. Veja aqui o que tem de bom na beterraba e, complemente sua leitura com este nosso artigo: BETERRABA: CALORIAS, BENEFÍCIOS E COMO USÁ-LA

Alimentação viva para o diabético

Na alimentação viva - comer sem cozinhar - nada vai ao fogo, enfim, comer totalmente e só alimentos crus, apresenta uma possibilidade de tratamento e cura da diabetes, veja no vídeo abaixo:

Especialmente indicado para você:

setaDIABETES: QUAL É A MELHOR MANEIRA DE COZINHAR ALIMENTOS?

setaCOMER OVOS PODE REDUZIR RISCOS DE DIABETES TIPO 2

setaDIABETES: 10 SINTOMAS INICIAIS BASTANTE COMUNS

setaA FOLHA DA OLIVEIRA AJUDA NA PREVENÇÃO DE DIABETES, HIPERTENSÃO E ALZHEIMER