No Brasil, a epidemia de sífilis é muito mais grave, mas preocupa muito menos que o coronavírus

No Brasil, a epidemia de sífilis é muito mais grave, mas preocupa muito menos que o coronavírus

O mundo todo está preocupado com a possibilidade de uma pandemia de coronavírus. Depois da sua chegada à Europa e, agora, no Brasil, o estado de alerta está ainda maior.

Entretanto, a epidemia de sífilis deveria preocupar muitos mais os brasileiros do que o coronavírus, já que, segundo um relatório do Ministério da Saúde, de 2010 a 2018, o número de casos da doença aumentou 4.157% no país, como informou a revista Veja.

O problema não é uma exclusividade do Brasil. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), todos os dias 1 milhão de novas infecções provocadas pela sífilis são notificadas em todo o mundo.

A sífilis é causada pela bactéria Treponema pallidum, que provoca uma doença infecciosa transmitida por relação sexual desprotegida, por transfusão de sangue (sífilis adquirida) e de mãe para feto durante a gestação (sífilis congênita).

Os sintomas da sífilis

Os sintomas da sífilis variam de acordo com o estágio da doença.

Sífilis primária

Uma ferida no local de entrada da bactéria (pênis, vulva, vagina, colo uterino, ânus, boca, ou outros locais da pele) aparece entre 10 e 90 dias após o contágio. Normalmente não dói, não coça, não arde e não tem pus, podendo estar acompanhada de ínguas (caroços) na virilha.

Sífilis secundária

Os sinais e sintomas aparecem entre seis semanas e seis meses do aparecimento e cicatrização da ferida inicial. São comuns manchas no corpo, que geralmente não coçam, febre, mal-estar, dor de cabeça e ínguas pelo corpo.

Sífilis latente – fase assintomática

Não aparecem sinais ou sintomas e sua duração é variável, podendo ser interrompida pelo surgimento de sinais e sintomas da forma secundária ou terciária.

Sífilis terciária

Pode surgir de 2 a 40 anos após o início da infecção e costuma apresentar lesões cutâneas, ósseas, cardiovasculares e neurológicas, podendo levar à morte.

Sífilis tem cura

A sífilis tem cura e o tratamento é feito pela aplicação de penicilina benzatina gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Se não tratada, a sífilis pode atacar o sistema nervoso central, provocando alterações neurológicas (quadros de demência), auditivas, oculares, cardíacas e ósseas e levar o paciente à morte.

Prevenir é melhor que remediar

Pode ser de fácil propagação, a maneira mais eficaz de evitar a doença é usando camisinha, masculina ou feminina.

Talvez te interesse ler também:

Sífilis ainda em aumento no Brasil. Veja por que e como se proteger

S.T.Eye: a camisinha que muda de cor e revela infecções e doença

Brasil, um dos países mais preocupantes com relação ao uso de antibióticos em alimentos de origem animal

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *