doença de lyme
doença de lyme

Bella e Avril: foi assim que combateram a doença de Lyme

Febre, mal-estar, dor no corpo. Esses sintomas tão comuns podem esconder uma doença rara que pouca gente conhece: a Doença de Lyme, uma infecção bacteriana transmitida pelo carrapato-estrela, o mesmo que causa a febre maculosa.

Embora tratável, pode ser bastante grave, levando a problemas neurológicos, cardíacos e nas articulações. A enfermidade ganhou notoriedade recentemente pois algumas celebridades sofrem com ela, como é o caso da cantora Avril Lavigne, que contraiu a doença em uma turnê, a modelo Bella Hadid e o ator Alec Baldwin. No Brasil, os casos são raros.

Saiba abaixo mais informações sobre esta doença.

{index}

Doença de Lyme – O que é

A doença de Lyme é considerada rara, e é mais comumente encontrada em países do Hemisfério Norte. Estima-se que nos Estados Unidos ela afete cerca de 300 mil pessoas por ano, e 65 mil na Europa. É uma enfermidade causada por bactérias do gênero Borrelia, transmitidas pelo carrapato-estrela. Não é uma doença transmissível entre humanos.

O período de incubação pode durar até 30 dias, mas tende a se manifestar em cerca de 2 semanas. Quando a pessoa recebe a mordida do carrapato infectado, pode desenvolver uma mancha vermelha no local afetado, que não costuma doer, nem coçar. Para transmissão da doença, é necessário que o animal permaneça na pele por um período longo, de cerca de 24h.

O mais grave da Doença de Lyme é que ela pode comprometer o sistema neurológico, as articulações e até mesmo o sistema cardiovascular, se não tratada.

Sintomas da doença de Lyme

Um dos primeiros sintomas da doença é a presença de uma mancha vermelha no local picado. Essa lesão afeta de 60 a 80% dos acometidos, tem formato circular e pode ir aumentando de tamanho.

Além da mancha, podem aparecer também sintomas como febre, dores de cabeça, dores nas articulações e mal-estar. Se não tratada, pode evoluir para um quadro crônico e afetar o sistema neurológico, causando meningite, encefalite, entre outros problemas, além de paralisia, arritmias, anginas e outros problemas cardiovasculares. Embora menos comum, pode afetar também os olhos, causando lesões na retina, conjuntivites e até cegueira.

Em crianças

Por ficarem muito tempo ao ar livre, as crianças correm riscos consideráveis de pegar a doença. Caso morem em regiões que tenham o carrapato transmissor, é importante que os pais fiquem atentos a sintomas como febre, fadiga, erupções de pele, paralisia facial e, principalmente, dores nas articulações e/ou musculares. Muitas crianças apresentam as dores nas juntas como o primeiro e, às vezes, único sintoma da doença.

Fatores de risco

É importante ficar atento às regiões que têm o carrapato-estrela. No Brasil, Petrópolis é uma das áreas consideradas de risco. Além disso, pessoas que fazem muitas atividades ao ar livre, com grama alta ou têm animais de estimação (que podem carregar o carrapato) entram como fatores importantes na transmissão.

Complicações

Quando a doença não é tratada, pode evoluir para um problema mais grave, gerando complicações como inflamação crônica das juntas, dificuldades de memória e concentração, distúrbios de sono, dores e dormências, arritmias cardíacas, paralisias e problemas na visão.

Diagnóstico e tratamento da doença de Lyme

Para fazer o diagnóstico, o médico faz uma avaliação clínica, verificando, inclusive, se o paciente vive ou visitou áreas de maior ocorrência do carrapato, e pode pedir também exames laboratoriais, como os de sangue.

Uma vez diagnosticada, o tratamento da doença de Lyme é feito com antibióticos, por um período que varia entre 2 e 3 semanas. Algumas pessoas podem desenvolver a Síndrome Pós Lyme, ou seja, continuarem apresentando os sintomas, mesmo depois de finalizado o tratamento.

Nesses casos, não é recomendado tratar com antibióticos, mas sim aliviar os sintomas apresentados.

A prevenção

Existem algumas medidas que podem ajudar a evitar o contágio e, consequentemente, a doença de Lyme. Entre eles, estão:

  • Aplicar repelentes a base de DEET
  • Passar um produto chamado permetrina nas roupas, que vai evitar que carrapatos entrem em contato com as peças. No entanto, nunca aplique a substância diretamente sobre a pele
  • Usar roupas de manga longa, calças e de cores claras. Prenda a camisa na calça e as meias na calça para evitar exposição
  • Verificar se há presença de carrapatos, principalmente nas regiões das axilas, virilha, atrás das orelhas e no cabelo
  • Evitar áreas de risco, que contenham tais carrapatos, se possível. Locais com grama alta, muita madeira, florestas e arbustos estão entre os preferidos desse tipo de bicho
  • Verificar a possiblidade de tomar a vacina utilizada na prevenção da doença de Lyme
  • As estações preferidas dos carrapatos são a primavera e o verão. Evite sair para regiões de risco nesses períodos do ano
  • Remova os carrapatos que encontrar com uma pinça
  • Saiba reconhecer os sintomas da doença de Lyme, que incluem as erupções de pele, febre, dores musculares e articulares e mal-estar
  • Vá ao médico, caso seja picado por um carrapato e tenha visitado uma área de risco

Talvez te interesse ler também:

PICADA DE CARRAPATO: SINTOMAS, PREVENÇÃO E O QUE FAZER

OMS: PICADAS DE INSETO COLOCAM EM RISCO 80% DA POPULAÇÃO MUNDIAL

Sobre Cintia Ferreira

Cintia Ferreira
Paulistana formada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro, tem o blog Mamãe me Cria e escreve para GreenMe desde 2017.

Veja Também

Reumatismo: os primeiros sintomas e como prevenir

O reumatismo é uma doença que atinge as cartilagens e as articulações provocando muita dor, …