O que é sarcopenia? Causas, consequências, prevenção e tratamento para a saúde e o corpo

A má-alimentação e desnutrição resultante de um déficit no consumo de nutrientes funcionais e energéticos são consideradas problemas de sáude pública, principalmente, na população idosa. Segundo a definição europeia, a desnutrição é caracterizada pela falta de ingestão ou absorção de nutrientes necessários para a composição corporal, funções física e mental, regeneração de células e músculos. Vejamos o que a desnutrição tem a ver com a sarcopenia.

Os critérios para detectar desnutrição podem ser:

  • índice de massa corporal (IMC) que é um cálculo que se obtém dividindo-se o peso pela altura elevada ao quadrado, quando resulta em um valor menor que 18,5 indica desnutrição.
  • A perda de peso de um indivíduo ser maior que 5% durante três meses, também, sinaliza déficit de nutrientes.

As causas que provocam desnutrição pode ser:

  • Marasmo: ocorre por causa da ingestão insuficiente e reduzida de comida
  • Caquexia provocada por problemas inflamatórios em decorrência de doenças crônicas
  • Sarcopenia: que é redução da massa e da função muscular provocada por vários fatores que mais adiante serão explicados.

O envelhecimento pode ser agravado pelos fatores que produzem desnutrição. Os mais idosos devido à diminuição sensorial, ficam com o paladar e olfato mais deficientes em suas funções, em decorrência disso perdem o apetite e não se alimentam direito, deixando de ingerirem a quantidade de alimentos necessários para uma boa nutrição.

Doenças crônicas que resultam em processos inflamatórios que, principalmente, incidem nos idosos e os medicamentos utilizados para tratá-las também podem ser fatores de diminuição da ingestão alimentar, diminuindo a vontade de comer, gerando desnutrição alimentar e perda muscular.

Independente de fatores externos, o envelhecimento é acompanhado de uma lenta e progressiva diminuição da massa muscular, que acaba sendo substituída por colágeno e gordura, diminuindo a capacidade funcional da musculatura. Essa situação constitui a sarcopenia.

Na manifestação da sarcopenia em um indivíduo pode ocorrer que peso ou o IMC, não apresentarem desajustes porque a musculatura é substituída por gordura, passando de forma despercebida e dificultando o seu diagnóstico.

Para saber mais sobre esse problema que incide, principalmente, em pessoas idosas ou mal nutridas, sigam o roteiro desta matéria para conhecer melhor a sarcopenia

{index}

O que é sarcopenia?

É comum ouvir falar da osteoporose, mas pouco se sabe da sarcopenia, embora sua incidência seja comum nas pessoas.

Para poder levar o conhecimento sobre esse problema, segue esclarecimentos sobre o que é essa deficiência, principalmente associada à velhice e/ou desnutrição.

Com o passar do tempo e o avanço da idade, ocorre a perda de massa muscular e da musculatura esquelética. Esse processo se inicia de maneira sutil aos 30/40 anos e mais acentuadamente entre os 60/70 anos. Segundo especialistas, aos 80 anos uma pessoa pode ter perder até 50% dos seus músculos. À esse processo de perda muscular se dá o nome de sarcopenia.

Essa redução contínua das fibras musculares, associada a fatores como queda nos índices de hormônios, como o estrogênio e a testosterona e diminuição do comando nervoso responsável pelas contrações musculares, ocorrem vários sintomas e problemas, tais como:

  • diminuição da velocidade para caminhar
  • dificuldades para se levantar, necessitando de apoio
  • se torna mais difícil subir escada e demais atividades que exijam movimentos, força, impulso, flexibilidade e firmeza nos membros

A sarcopenia pode ser dividida em 3 estágios :

  1. perda da massa muscular
  2. perda da massa e força muscular
  3. dificuldades para realizar certas atividades, como as já citadas, podendo favorecer a ocorrência de fraturas, devido aos músculos serem responsáveis pelo equilíbrio corporal.

Causas da sarcopenia

Além do fator envelhecimento existem outras causas que podem favorecer o aparecimento da sarcopenia, vejam quais são:

  • A diminuição da testosterona influi na síntese de proteína, fundamental na formação de músculos.
  • A menopausa nas mulheres a perda muscular pode ocorrer pela diminuição das taxas do hormônio do crescimento. Com a redução dos hormônios citados ocorre a tendência de acúmulo de gordura na barriga, sobretudo nos homens, e nos quadris nas mulheres, quadro que pode vir acompanhado de resistência à insulina, situação que abre caminho para o diabete.
  • Doenças que costumam afetar os mais velhos, como desnutrição, distúrbios cardiovasculares, gastrointestinais, renais e neurológicos contribuem para perda muscular.
  • Para agravar mais estes tipos de situações, a imobilidade decorrente da falta de energia, desnutrição, doenças e fraqueza e a falta de atividade física funcionam como agentes aceleradores da sarcopenia. Exemplo disso, é uma pessoa internada por muitos dias apresentar perda muscular.
  • Alterações no hábito alimentar podem ser fatores determinantes para o aparecimento e avanço da sarcopenia, principalmente, nos idosos que apresentam uma gradual diminuição do apetite pela dificuldade de mastigar e diminuição do paladar.

Consequências da sarcopenia

Em 2010 um consenso do Grupo Europeu de Trabalho sobre sarcopenia em Idosos estabeleceu que esse fenômeno está relacionado com a redução muscular, a diminuição de força e a piora do desempenho físico.

Os primeiros sinais da sarcopenia

Com o passar dos anos e o avanço da idade, os primeiros sinais da sarcopenia são:

  • os músculos diminuem aos poucos esse problema fica camuflado pelo ganho de peso comum após os 40 anos,
  • os músculos são substituídos por gordura
  • dificuldade para subir escada, sentar, levantar, abaixar e pegar objetos caídos no chão
  • se não for tratada e minimizada a sarcopenia compromete a capacidade de fazer as atividades no dia a dia, de forma independente
  • sem cuidados para diminuir os efeitos da sarcopenia, esse problema pode provocar maior risco de quedas, acidentes e como consequência hospitalizações

Prevenção da sarcopenia

A boa notícia diante desse quadro desanimador da sarcopenia é que existem maneiras de contornar esse problema e até tratar, embora seja uma consequência natural do envelhecimento. Existem cuidados, ações e tratamentos que podem prevenir, minimizar e retardar os efeitos da perda muscular, contribuindo para idosos driblarem a sarcopenia e levarem uma vida normal.

Formas de prevenir e combater a sarcopenia

Ingestão de leucina

A leucina é uma molécula de alta absorção e de nobre função para a manutenção dos músculos. É recomendável ingerir de 1 a 1,2 grama de leucina por quilo de peso diariamente. Como exemplo, uma pessoa de 60 quilos necessita de no mínimo 60 gramas do consumo de leucina.

Leia mais: OS BENEFÍCIOS DA LEUCINA. POR QUE PRECISAMOS DESSE NUTRIENTE?

Magnésio e Potássio

Minerais como magnésio e potássio encontrados em verduras e legumes favorecem a integridade da musculatura.

Carboidratos

Os carboidratos são necessários pois geram força e energia para o movimento dos músculos. Se houver déficit de carboidratos o organismo se ressente e ataca justamente as proteínas dos músculos para suprir a falta na alimentação.

Os exercícios

Para prevenir a sarcopenia o ideal é que se inicie atividade física antes dos 40, criando uma poupança muscular para retardar a diminuição dos músculos.

Caminhadas e outras atividades aeróbicas ajudam, mas é recomendável incluir exercícios de força, como musculação.

As contrações provocadas pela resistência de equipamentos, elásticos ou o próprio peso do corpo produzem fissura no músculo, então as proteínas as preenchem as regenerando e aumentando a densidade muscular.

Suplementos

Nem sempre a alimentação balanceada e as atividades físicas são suficientes para evitar a sarcopenia, principalmente nas idades mais avançadas. Há situações em que se faz necessária a suplementação. Então, a solução é recorrer a um profissional de saúde e complementar a nutrição com produtos formulados para suprir e/ou reforçar a deficiência nutricional.

Os suplementos podem contribuir para reduzir os impactos da desnutrição, senilidade e sarcopenia e, até, aumentar a expectativa de vida dos idosos. Geralmente as fórmulas de prevenção e combate à sarcopenia, tem na composição os seguintes nutrientes: a vitamina D, aminoácidos, antioxidantes, e leucina.

A suplementação por vezes se faz necessária, pois, nem sempre é possível se obter a quantidade necessária diária dos nutrientes através dos alimentos.

Existem casos de pacientes com idade bem avançada que após suplementação, aliada à alimentação e exercícios físicos param de perder massa muscular e ficam mais ativos.

Teste para detectar perda muscular

A panturrilha, que é a batata da perna, tem pouca gordura e através de sua circunferência dá para ter uma medida do nosso estado muscular, para isso basta proceder da seguinte maneira:

  1. Deve-se se posicionar em pé com os pés afastados 20 cm, distribuindo o peso do corpo igualmente nas duas pernas.
  2. Através de uma fita métrica, mede-se a parte mais proeminente da perna direita.
  3. Em geral, o resultado é considerado satisfatório se for igual ou superior a 31 cm.

Exames que podem ser feitos para confirmação da sarcopenia

Para poder melhor avaliar e diagnosticar a perda muscular é recomendável realizar exames médicos como:

  • ressonância magnética
  • bioimpedância elétrica
  • densitometria de raio X de dupla energia, associada à redução da força muscular, definida pelo teste de força de preensão manual ou performance muscular indicada pela análise da velocidade da marcha ou de um teste de caminhada de 6 minutos.

Tratamentos para a sarcopenia

Os tratamentos para a sarcopenia envolvem terapias que combinam dieta balanceada e atividade física regular.

Outro fator preponderante é que a oferta de proteína deve ser adequada, ficando entre 1,2 e 1,5 grama diários do nutriente por quilo, de preferência, consumida de forma fracionada ao longo do dia.

Reposição de vitamina D em casos de deficiência e o tratamento da anemia, uma vez existente, contribuem para o combate à sarcopenia. A suplementação de leucina, um aminoácido essencial não produzido pelo organismo, seu uso vai depender de indicação e orientação de um profissional de saúde.

No plano da alimentação, um cardápio alimentar rico de proteína, nutriente essencial na construção do tecido muscular. Nos vegetais a proteína está presente no feijão, na lentilha, no grão-de-bico e demais leguminosas.

A atividade física com exercícios supervisionados, de preferência de resistência, como a musculação e similares combinados com os aeróbicos, como caminhada, corrida, fazem parte do tratamento terapêutico para combater a sarcopenia. O objetivo de todos estes cuidados e ações é frear ou reverter a perda da massa muscular em busca de uma melhor condição e qualidade de vida.

Como recuperar a perda muscular

Aqui entra novamente todos os fatores de prevenção e tratamento de quadro de sarcopenia.

Praticar a atividade física regular, pois movimentar-se favorece o fortalecimento e manutenção da massa muscular, além de outros benefícios.

Existem exercícios para idosos que ajudam na recuperação ou melhoria dos movimentos dos membros que perderam musculatura. A alimentação e suplementação nutricional, com nutrientes como vitamina B12, antioxidantes, magnésio, proteínas, vitamina D3, Vitamina B11 e aminoácidos, como leucina, isoleucina, valina ajudam na manutenção e/ou regeneração dos músculos, os tornando saudáveis.

Refinar e melhorar os hábitos e o estilo de vida determinam a melhora e a saúde, desde indivíduos novos, como mais velhos.

Para a pessoa que já tem sarcopenia é importante que se tome logo as medidas necessárias de cuidado e recuperação, pois quanto maior a perda muscular, maior a dificuldade de regeneração e piores os sintomas.

Para recuperar os músculos, é importante que a pessoa siga um tratamento focado no ganho de massa magra, com orientação dos especialistas da saúde, seja clínico, ortopedista, nutricionista, fisioterapeuta e educador físico.

Os suplementos para ajudar no ganho de massa muscular atuam em conjunto com a alimentação e as atividades físicas e existem vários no mercado, em especial, os geriátricos formulados especificamente para idosos.

Hábitos saudáveis fazem a diferença

habitos saudaveis

Em suma, hábitos e estilo de vida saudável atuam desde a prevenção até o tratamento e recuperação da perda muscular, seja por motivo de desnutrição, doenças ou idade avançada.

A fórmula é:

  • Cardápio alimentar balanceado rico em nutrientes para ganho muscular
  • Exercícios físicos para fortalecer e regenerar os músculos
  • Reposição de carências nutricionais causadoras da perda muscular, através de suplementação adequada para perda muscular, que gerem massa magra
  • Beber pelo menos 2 litros de água diariamente para hidratação do corpo, o que contribui para uma boa circulação e a saúde das células que abrangem e beneficiam, também, nossa parte muscular.

O espelho e o tato podem nos ajudar a avaliar a quantas anda nossa massa muscular e quanto mais atenção colocarmos em nosso corpo e nossa saúde menos probabilidade de termos esse problema de forma severa.

O cuidado é a melhor prevenção para a manutenção de nossa saúde!

Professora, alfabetizadora, formada em História pela Universidade Santa Cecília, tem o blog A Vida nos fala e escreve para GreenMe desde 2017.
Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Instagram
Siga no Facebook