Fila de ambulâncias: a foto símbolo da segunda onda de coronavírus na Itália

Dezenas de ambulância em fila a caminho do hospital. A foto feita em Torino, norte da Itália, já é símbolo da segunda onda da pandemia Covid-19 na Itália.

A foto publicada ontem a noite em uma conta Instagram com a seguinte descrição:

“Dez ambulâncias fizeram fila embaixo da casa. Uma luz azul iluminou todos os apartamentos da rua. Sem sirenes, estavam vazias (espero) e prestes a voltarem para a garagem, ou onde as ambulâncias vão dormir quando terminam o turno. Mas impressionante. E como me impressionou, filtrei a foto para que parecesse muitos carrinhos de brinquedo, para colocar um pouco de distância entre mim e eles e ter um pouco menos de tristeza. Com todas aquelas ambulâncias, a expectativa de vida é ❤️ # covid_19 #ambulance #torino

ATUALIZAÇÃO DE 4 DE NOVEMBRO

Ontem à noite postei esta foto acompanhada de um comentário que representa um sentimento meu, a meio caminho entre a preocupação e a esperança. Esta manhã, um amigo jornalista me pediu para poder usá-lo e vejo que agora se tornou viral porque muitos o adotaram. Entendo que é uma foto que pode ser considerada “simbólica” de um momento, e não é meu interesse de forma alguma participar da discussão gerada.

Para falar a verdade, quero relatar o que várias pessoas me disseram, a saber, que foi uma fila de ambulâncias que do Hospital Mauriziano de Torino – agora no limite dos leitos – levava pacientes para o novo centro de Covid do Hospital Tortona . A situação é o que é, todos nós reconhecemos. Não gostaria que uma foto fosse explorada associando-a sabe-se lá que enredo. Eu, pelo menos não sabia o que era aquela fila de ambulâncias, e fiquei pensando, esperando que não estivessem lotadas (mas estavam) e dirigindo um pensamento de carinho e gratidão a todos os profissionais de saúde.

De tudo isso tiro uma reflexão: uma foto certamente pode ser representativa de um clima. Uma foto acompanhada de sentimentos pessoais, porém, não é “notícia”. Não criamos narrativas imprecisas que deturpam ou adicionam “fatos” a uma postagem de impressão pessoal.”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Dieci ambulanze in coda sotto casa. Una luce blu che ha riempito tutti gli appartamenti della via. Senza sirena, quindi vuote (spero) e in procinto di tornare al deposito, o dove vanno a dormire le ambulanze quando finiscono un turno. Però impressionante. E siccome mi ha impressionato, ho filtrato la foto in modo che sembrassero tante macchinine giocattolo, per mettere un po’ di distanza fra me e loro e avere un po’ meno tristezza. Con tutto che le ambulanze sono speranza di vita ❤️ #covid_19 #ambulance #torino AGGIORNAMENTO DEL 4 NOVEMBRE Ieri sera ho postato questa foto accompagnata da un commento che rappresenta una sensazione mia, a metà tra la preoccupazione e la speranza. Stamattina un amico giornalista mi ha chiesto di poterla usare e vedo che ormai è diventata virale perché l’hanno ripresa in molti. Capisco che è una foto che può essere considerata “simbolica” di un momento, e non è mio interesse in alcun modo partecipare alla discussione generata. Per amor di verità voglio riportare quanto mi hanno segnalato diverse persone e cioè che si trattava di una fila di ambulanze che dall’Ospedale Mauriziano di Torino – ormai giunto al limite di posti letto – portavano i pazienti al nuovo centro Covid dell’Ospedale di Tortona. La situazione è quello che è, lo riconosciamo tutti. Non vorrei che una foto venisse strumentalizzata associandola a chissà quale complotto. Io per primo non sapevo cosa fosse quella fila di ambulanze, e me lo domandavo, sperando che non fossero piene (lo erano) e rivolgendo un pensiero di affetto e riconoscenza verso tutti gli operatori sanitari. Da tutto questo traggo una riflessione: una foto può certamente essere rappresentativa di un clima. Una foto accompagnata da sensazioni personali però non è “una notizia”. Non costruiamo narrazioni imprecise che travisano o aggiungono “fatti” a un post di impressioni personali.

Uma publicação compartilhada por Pietro Izzo (@pietroizzo) em

De fato a intenção não é alarmar. Muitos países europeus estão se manifestando contra o lockdown que, de fato é uma alternativa dura. Mas como o vírus não morreu, e fechar as pessoas não parece tanto democrático, o único jeito é se prevenir: usar máscara, lavar as mãos e evitar aglomerações.

Paciência, a pandemia há de acabar mais dia ou menos dia.

Talvez te interesse ler também:

Novo coronavírus já está velho: vírus que circula na Europa já sofreu alterações

Covid-19 na Europa: lockdown, toque de recolher, recorde de mortes e protestos

Anticorpos da Covid-19 duram poucos meses, revela pesquisa

Sobre Daia Florios

Daia Florios
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP. É fundadora e redatora-chefe em GreenMe Brasil.

Veja Também

Romã: como fazer chá e suco dessa fruta medicinal maravilhosa

A romã (Punica granatum) é uma fruta conhecida milenarmente que além de sua gama de …

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *