Mordido por um morcego, adolescente morre de raiva no estado do Rio de Janeiro

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Sem casos desde o ano de 2006, a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro informou nesta terça-feira, 16, a primeira morte por raiva humana, de um adolescente de 13 anos que foi mordido por um morcego, no final de janeiro, na cidade de Angra dos Reis.

Segundo informou O Dia, o jovem não procurou socorro e, portanto, não tomou vacina antirrábica, procedimento indicado em casos de mordidas de animais e, em 22 de fevereiro, começou a aparecer os primeiros sintomas.

Ele foi internado no dia 7 de março e, cinco dias depois, o jovem foi transferido, já com suspeita de raiva, para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira (IPPMG/UFRJ), na capital fluminense, vindo a falecer no dia 30 de março.

A Secretaria de Saúde informou que na cidade do Rio de Janeiro, a raiva, na sua forma urbana, encontra-se sob controle.

Alerta

A Secretaria de Saúde emitiu um alerta para os municípios do Estado do Rio, com os protocolos estabelecidos pelo Ministério da Saúde para evitar casos de raiva humana, e fez uma reunião de segurança com 92 secretarias de saúde.

A Secretaria também informou que o Ministério da Saúde deverá enviar vacina antirrábica animal para realização da campanha até novembro.

O que é raiva?

No site da Prefeitura do Rio de Janeiro, constam informações sobre a doença, e explicações sobre as formas de transmissão, sintomas e primeiros socorros.

A raiva é uma doença grave causada por um vírus que acomete o sistema nervoso central dos mamíferos. É uma zoonose fatal em quase 100% dos casos, transmissível por qualquer mamífero, desde que infectado pelo vírus. O vírus fica na saliva do animal e é transmitido através da mordida quando ele penetra no organismo da vítima.

Cães e gatos são os animais domésticos mais comuns de serem portadores da doença. Mas na área rural, bois, cavalos, porcos, ovelhas e cabras podem desenvolver a doença, sendo o principal transmissor o morcego hematófago, que se alimenta do sangue desses animais.

Já a transmissão silvestre, é comum entre raposas, guaxinins, primatas e, principalmente, morcegos (hematófagos ou não).

Sintomas em animais e em humanos

Os animais doentes costumam apresentar:

  • dificuldade para engolir,
  • salivação abundante,
  • mudança de comportamento,
  • mudança de hábitos alimentares e
  • paralisia das patas traseiras.

Nos cães e gatos, a raiva pode se manifestar sob a forma furiosa (o animal apresenta angústia, inquietude, excitação e agressividade) ou paralítica (forma mais leve sem manifestação de agressividade, apresentando sinais de paralisia que evoluem para a morte).

Morcegos (hematófagos ou não) infectados com o vírus da raiva apresentam alterações no comportamento, podendo ser encontrados durante o dia, em hora e locais não habituais.

Em humanos, a raiva se manifesta, com

  • mal-estar,
  • aumento de temperatura,
  • falta de apetite,
  • dor de cabeça, enjoos,
  • dor de garganta,
  • irritabilidade,
  • inquietude e sensação de angústia.
  • O local da mordida também pode causar a sensação de dor, queimação e formigamento no local da mordedura.

Os sintomas evoluem muito rápido, em 2 a 4 dias a infecção progride e pode haver delírios, espasmos musculares involuntários e/ou convulsões, podendo evoluir para um quadro de paralisia, levando a alterações cardiorrespiratórias, retenção urinária e constipação intestinal.

Observam-se, ainda, sensibilidade a luz e a sons, medo de correntes de ar e de água, além da dificuldade para engolir.

O que fazer em caso de mordida?

O que fazer no caso de agressão (mordida / arranhão) por cães, gatos, morcegos e demais animais silvestres?

Lavar imediatamente o ferimento com água corrente e sabão e procurar imediatamente uma Unidade de Atenção Primária do município para as medidas preventivas e de socorro necessárias.

Não mate o animal

Não mate o animal, deixe-o em observação durante 10 dias, para que se possa identificar qualquer sinal indicativo da raiva. O animal deverá receber água e alimentação normalmente, num local seguro, para que não fuja ou ataque outras pessoas ou animais;

Se o animal adoecer, desaparecer ou mudar de comportamento, acione o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), da sua cidade.

Se o animal morrer, o CCZ deverá ser informado imediatamente para realização de exame e medidas de contenção.

Controle e vacinação

O controle da raiva animal inclui a vacinação de cães e gatos, a partir de três meses de idade.

A Prefeitura do Rio informa que a vacina para esses animais está disponível durante todo o ano, de forma gratuita, nos postos fixos localizados no Centro de Controle de Zoonoses Paulo Dacorso Filho e no Instituto Municipal de Medicina Veterinária Jorge Vaitsman.

Talvez te interesse ler também:

Agropecuária é apontada por especialistas como uma das causas do surgimento de pandemias

Visons, animais explorados pela indústria da moda, podem ser os transmissores do coronavírus ao homem

Conheça os morcegos que “preferem” sangue humano!

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Juliane Isler, advogada, especialista em Gestão Ambiental, palestrante e atuante na Defesa dos Direitos da Mulher
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Instagram
Siga no Facebook