Fiquem em casa: vejam o que o Coronavírus faz no organismo

Muitas pessoas ainda subestimam o novo Coronavírus e não estão respeitando umas das recomendações básicas para preveni-lo: ficar em casa. Essa não é uma recomendação qualquer e foi reforçada, inclusive, pela médica infectologista que tratou do homem de 62 anos que faleceu em São Paulo, vítima da Covid-19. Vejam o que o Coronavírus faz no organismo.

A médica infectologista Carla Guerra acompanhou o caso do primeiro brasileiro que morreu por Covid-19, confirmada a infecção pelo vírus após a morte. Ele tinha 62 anos, sofria de diabetes e hipertensão, começou a ter os sintomas do novo Coronavírus no dia 10/03 e faleceu no dia 16/03, mesmo tendo procurado por atendimento médico.

De acordo com informações do site BBC News Brasil, a vítima não viajou para o exterior e não teve contato com ninguém que estivesse infectado. Como não se sabe a origem do vírus, o caso dele foi considerado uma transmissão comunitária.

Ou seja, estamos arriscados a pegar o novo Coronavírus de qualquer pessoa e em qualquer lugar! Infelizmente, muitas pessoas ainda não estão levando a sério a “simples” recomendação de ficar em casa, mas a morte desse homem é mais do que um alerta que já deveria ter sido colocado em prática antes.

A médica que tratou desse paciente, reforçou o apelo a toda a população, pois ao contrário do que pensam, não é uma simples gripe e não se trata de uma doença comum. Em outra matéria do BBC News Brasil, médicos e especialistas explicam sobre o que o novo Coronavírus é capaz de fazer no nosso corpo.

O que o novo Coronavírus faz no organismo?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o contágio do SARS-CoV-2 ocorre pelas gotículas de espirro e tosse das pessoas contaminadas. Os primeiros sintomas são: cansaço, febre e tosse seca, mas alguns pacientes também apresentaram dores musculares, congestão nasal, dor de garganta e até mesmo diarréia.

Mas se o Coronavírus é uma doença respiratória, por que pode causar diarréia?

Segundo explicou William Schaffner, professor de medicina preventiva e doenças infecciosas do Centro Médico da Universidade Vanderbilt, nos Estados Unidos, o Coronavírus é um vírus respiratório que começa infectando a garganta. Ele entra no nosso corpo pelos olhos, boca e nariz e se liga às células da mucosa do fundo do nariz e da garganta.

Uma vez instalado, o vírus destrói a célula de origem e se espalha para as outras. Nesse momento, o corpo percebe essa movimentação e libera substâncias químicas para tentar combater o vírus, como uma verdadeira Guerra. Por esse motivo sentimos dor de garganta e ficamos com o nariz entupido.

Na sequência, o vírus passa para o canal brônquico e vai se espalhando causando a tosse seca, mais inflamação e febre. Se ele sair do canal brônquico e chegar aos pulmões, pode causar pneumonia, que é o que está acontecendo na maioria dos casos. Com isso, o paciente não consegue mais respirar e o corpo não receberá oxigênio suficiente, necessitando então do auxílio de um respirador artificial.

De acordo com o médico Kalpana Sabapathy, da equipe de saúde global da Escola  de Higiene e Medicina de Londres, no Reino Unido, o problema passa a não ser mais a infecção, mas sim como o corpo reage a ela. Isso porque o nosso corpo passa a produzir substâncias cada vez mais agressivas que danificam outras partes, como os alvéolos, por exemplo. Esses, por sua vez, deixam de capturar oxigênio suficiente, causando assim uma insuficiência respiratória. Sem oxigênio suficiente, o coração pode parar de funcionar, ocasionando então uma parada cardio-respiratória.

Além disso, a infecção não precisa passar para outras partes do corpo para que uma pessoa fique em estágio crítico. Especialistas afirmam que o novo Coronavírus também pode se espalhar para outras partes do corpo. Um estudo publicado pela revista científica The Lancet sugere que o SARS-CoV-2 pode causar danos a outros órgãos do corpo, como o coração, fígado, rins e outros sistemas como o sanguíneo e imunológico.

Essa suposição pode explicar em parte o motivo pelo qual alguns pacientes portadores da Covid-19 (o nome da doença causada pelo novo coronavírus), tiveram dores abdominais e diarreia, sendo que esses não são sintomas de doenças respiratórias. Para confirmar isso, os médicos envolvidos no estudo precisarão conhecer os resultados as autópsias. No momento eles estão focados em estudar os casos agudos da doença, mas logo trarão mais notícias sobre as consequências da doença a longo prazo.

No Brasil, o agravante da Tuberculose

Ontem, uma entrevista d’O Globo à pneumologista e pesquisadora Margareth Dalcomo, da ENSP/FIOCRUZ, viralizou nas redes sociais. Nela, a cientista explica que as condições socioeconômicas do Brasil e a alta prevalência de tuberculose fazem da nossa epidemia ser diferente, e talvez mais perigosa, que a epidemia da Itália e de outros países.

Além de explicar a agressividade do vírus ao causar pneumonia, ela também explica que, sendo uma doença nova, ainda não se sabe quais sequelas os pacientes sobreviventes poderiam ter em seus pulmões, e chama a atenção para o problema da alta incidência da tuberculose em nosso país, uma doença que é fator agravante da Covid-19:

A pneumonia da Covid-19 é muito diferente da comum. Ela se caracteriza por ser intersticial e que evolui com fibrose pulmonar, muitas vezes precoce. As tomografias dos pulmões mostram marcas que se parecem com fibroses antigas. Nunca vimos isso antes. E isso é só parte do problema.

Cerca de 80% dos casos de tuberculose são pulmonares. Quando a Covid-19 encontrar a tuberculose teremos uma mortalidade absurda.

A especialista também adverte que a inflamação causada pela Covid-19 pode ser tão grande a ponto de levar o paciente à sépsis, que é uma inflamação generalizada que pode causar a morte.

Consciência da gravidade

Por ora, resta-nos tomar consciência da gravidade da situação e não deixar de cumprir as recomendações básicas de saúde e segurança, mesmo que não obrigatórias… Pelo menos por enquanto. Deixar de circular nesse período, ajuda a quebrar a corrente do novo Coronavírus, pois ele depende apenas do nosso organismo para continuar a crescer e, se continuar nesse ritmo, poderá causar enormes danos à humanidade, e em pouco tempo.

Fiquem em casa!!!

Talvez te interesse ler também:

‘Um vírus matará milhões de pessoas’, disse Bill Gates em 2015

O coronavírus é a consequência do nosso impacto no planeta: o relatório WWF

Que lições podemos tomar do coronavírus?

Sobre Eliane A Oliveira

Eliane A Oliveira
Formada em Administração de Empresas e apaixonada pela arte de escrever, criou o blog Metamorfose Ambulante e escreve para GreenMe desde 2018.

Veja Também

Vacina contra Covid-19: quem poderá fazer uso emergencial?

A Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária divulgou ontem, 2, critérios para autorizar, de …