Ativista de direitos de mulheres se suicida, mas sua luta segue viva

Ativista de direitos de mulheres se suicida, mas sua luta segue viva

Sabrina de Campos Bittencourt tornou-se uma figura pública mais conhecida, recentemente, ao denunciar o médium João de Deus e o guru Prem Baba de abuso sexual – dois casos que, de longe, não devem ser medidos com a mesma régua. Sabrina era uma ativista social que trabalhou, em vida, pela defesa dos direitos de mulheres, mas, nesse sábado (02), em Barcelona, veio à tona a notícia de que ela havia tirado a própria vida.

A ativista deixou três filhos e vários amigos que estão desolados com a notícia.

Carta de despedida

Sabrina escreveu uma carta relatando as razões pelas quais cometeu suicídio. A ONG Vítimas Unidas, na qual trabalhava, comunicou o falecimento de Sabrina e divulgou a carta de despedida dela que começa dizendo: “Marielle me uno a ti”.

Na carta, Sabrina denuncia o machismo decorrente da história milenar do patriarcado e mostra o seu cansaço ante tanta opressão. Ela encoraja outras mulheres a não silenciarem qualquer forma de abuso e que se unam em redes de apoio e proteção.

O suicídio de Sabrina revela que muitas pessoas aparentemente fortes, que dão suporte a outras em situação de fragilidade, também precisam de ajuda. A morte dela mostra como a linha entre a vida e a morte é tênue e que, imersos em nossos problemas, não reconhecemos naquele que nos dá a mão que ele também precisa de uma.

Denúncias contra líderes espirituais

Sabrina teve a coragem, junto com a ONG Vítimas Unidas, de ajudar a apurar 185 denúncias contra 13 líderes espirituais, como informa a Rede Brasil Atual.

Ela fundou a plataforma Combate ao Abuso no Meio Espiritual (Coame), que recebe denúncias de crimes sexuais praticados por lideranças religiosas. Seu engajamento resultou em várias perseguições e ameaças. Ela contou ao jornalista Gilberto Dimenstein, diretor do site Catraca Livre, e para colaboradores da sua ONG, que vinha recebendo ameças de que pessoas ligadas a João de Deus acionaram assassinos em vários países para descobrir seu paradeiro e acabar com a sua vida.

O filho mais velho de Sabrina, Gabriel Baum, disse em sua rede social que:

“Minha mãe passou o ano todo me preparando, mas nunca estamos preparados. Fez mais de 300 vídeos com todas as instruções, deixou tudo em provas, organizado, em um pacote de cartas. Ela não queria ser morta pelas quadrilhas nem pelo câncer. Lutou até o final“. Sabrina vinha lutando, também, contra um linfoma.

A história de defesa de mulheres é a história da vida de Sabrina. Ela foi abusada quando criança por membros de uma igreja mórmon que seus pais frequentavam. Ficou grávida de um de seus abusadores, mas abortou. Passou, então, a atuar como ativista de mulheres que vivenciaram a mesma experiência que ela, sobretudo, que sofreram abuso de líderes religiosos.

A presidenta da entidade Vítimas Unidas, criada inicialmente para atender as vítimas do médico condenado por abuso Roger Abdelmassih, afirma que: “Vamos dar continuidade ao trabalho dela”.

O sociólogo e ativista LGBT João Mello comentou que Sabrina

“é a ativista mais importante hoje do país e seu exemplo tem de ser seguido por todos”.

Controvérsias

Tem-se discutido que a história do suicídio de Sabrina não está totalmente esclarecido, haja vista que a notícia sobre a sua morte é de que ocorrera em Barcelona. Mas, segundo a Carta Capital, o filho Gabriel disse que, após ter ido para Barcelona, a mãe seguiu viagem com a namorada para o Líbano.

Até o momento, também não há informações sobre o corpo de Sabrina, nem por parte do governo espanhol, nem por parte do governo brasileiro. Gabriel reagiu, nas redes sociais, a cobranças por informações sobre a morte da mãe:

“O corpo é dela e nenhum governo, youtuber, jornalista sensacionalista e gente corrupta de merda vai agora querer caçar também o corpo dela! Deixem minha mãe em paz“.

Essa reação e a falta de informações consistentes sobre o corpo de Sabrina têm levado a especulações sobre se, de fato, ela teria atentado contra a própria vida. As famílias têm todo o direito de autorizar ou não o Itamaraty a fornecer informações sobre a morte de brasileiros no exterior, algo não autorizado pela família de Sabrina.

Segundo, ainda, publicação da Carta Capital, Maria do Carmo Lopes, a primeira pessoa a divulgar sobre a morte de Sabrina oficialmente, contou que soube da morte da amiga por Gabriel e que se confundiu quanto ao local onde o corpo teria sido encontrado.

A amiga e também ativista comentou sobre a especulação de uma “morte simbólica”, no intuito de Sabrina preservar a si e seus filhos das ameaças que vinham sofrendo.

“O que eu posso dizer pra vocês é que, pra mim, a Sabrina partiu. Me façam um favor, não me procurem mais”.

Toda a história certamente tem trazido muita dor para a família e os amigos de Sabrina, que merecem estar em paz para se confortarem neste momento.

Talvez te interesse ler também:

EM MEMÓRIA DE #MARIELLEFRANCO, TWITTAÇO PARA PEDIR JUSTIÇA

PARA ONDE VÃO AS VOZES DOS DIREITOS HUMANOS NO BRASIL?

COMO VOCÊ ESTAVA VESTIDA? MOSTRA DERRUBA O PRECONCEITO LIGADO À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *