©Clay Banks/Unsplash

Dia da Consciência Negra – 20/11 + Hamilton + Kamala – A luta continua

O primeiro piloto negro a bater recorde de vitórias em um esporte essencialmente branco. A chapa eleitoral bem sucedida que elegeu a primeira mulher negra como vice-presidente dos Estados Unidos, em 2020. Um movimento que cresceu muito esse ano, motivado pelos abusos policiais contra a população negra, o Black Lives Matter.

Esse foi um ano de muitas conquistas para os negros, porém os dados continuam muito cruéis.

No Brasil, a cada 23 minutos um jovem negro é assassinado, de acordo com o Mapa de Violência.

A diferença salarial entre negros e brancos ainda é de 31%, segundo pesquisa do Instituto Locomotiva.

Basta fazer um simples “teste de pescoço” para verificar a cor da pele de quem serve e de quem é servido.

Falta muito para isso mudar

Por tudo isso e para que o mundo tenha cada vez mais Lewis Hamiltons, Kamallas Harris, Machados de Assis, Milton Santos, Ângelas Davis, Djamilas Ribeiro, Nelsons Mandelas, Muhamads Ali, Malcom X é importante prestar atenção nessa data: 20 de novembro. Dia Nacional da Consciência Negra. Época na qual o debate racial volta à cena promovendo uma reflexão sobre os impactos e importância dos negros na história do Brasil.

A data tem origem em um dos mais importantes nomes da História Mundial, Zumbi dos Palmares, que lutou até a morte contra a opressão do sistema escravocrata no Brasil.

immagine

Zumbi foi o idealizador do Quilombo de Palmares, um símbolo da resistência negra. O local, que fica localizado no atual estado de Alagoas, era uma colônia de matriz africana, onde os negros viviam do plantio e comércio, e que foi dizimado pelas autoridades portuguesas.

A morte de Zumbi, em 20 de novembro, é o símbolo de uma luta que ainda está longe de chegar ao final. Mais do que o fim da discriminação, a luta é por humanidade, como bem disse Malcom X:

“Não lutamos por integração ou separação. Lutamos para sermos reconhecidos como seres humanos”.

No dia 20 de novembro, mas do que comemorar as conquistas, é hora de pensar no papel de cada um para pôr fim, definitivamente, na desumanização dos negros.

Talvez te interesse ler também:

Ativista e vegano, o Hamilton fora das pistas que precisamos conhecer

Cota racial histórica na SPFW: 50% dos modelos será afro ou indígena

Dia Internacional contra a Discriminação Racial: os momentos mais importantes da luta contra o racismo

Sobre Cintia Ferreira

Cintia Ferreira
Paulistana formada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro, tem o blog Mamãe me Cria e escreve para GreenMe desde 2017.

Veja Também

Índia luta contra o “jihad do amor”: o casamento interreligioso

O estado mais populoso da Índia declarou estar comprometido em lutar contra o “jihad do …

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *