Saci-Pererê
Saci-Pererê

31 de outubro é Dia do Saci-Pererê, ícone do nosso folclore

No dia 31 de outubro, muita gente comemora o Halloween ou o Dia das Bruxas, cuja origem cultural vem do Reino Unido. Em terras brasileiras, a data é comemorativa de uma personagem do nosso folclore popular: o Saci-Pererê.

O Dia do Saci é uma homenagem a esse ser mítico que também é conhecido por saci-pererê, matita perê, saci-saçurá.

A sua origem remonta aos indígenas da região das Missões, no sul do Brasil, de onde teria se espalhado para o resto do país.

Embora a figura do Saci seja associada a um ser maléfico, trata-se de uma personagem brincalhona.

Origem da data

A homenagem ao Saci no dia 31 de outubro é uma forma de resistência à importação cultural do Halloween. A Comissão de Educação e Cultura elaborou, para conscientizar a população sobre a riqueza da nossa diversidade cultural, o Projeto de Lei Federal nº 2.479, de 2013, instituindo o Dia do Saci. De acordo com a lei:

“Entendemos que a comemoração anual do ‘Dia do Saci’ permitirá um contato sistemático com a variedade e a beleza das tradições do País, de modo a fortalecer o processo de consolidação da identidade nacional bem como a auto-estima do povo brasileiro”.

A lenda do Saci-Pererê

Não se sabe ao certo como surgiu a lenda do Saci, mas dizem que ela nasceu no sul do Brasil, no século XVII, para contar as travessuras de um pequeno índio de rabo que destruía plantações e assustava animais, segundo o Calendar.

A lenda acabou se espalhado por todo o país e, mais ao norte, devido à influência africana, a personagem índia passou a ser um negrinho que tinha uma perna só, que usava um gorro vermelho e fumava um cachimbo.

A explicação para o Saci ter apenas uma perna é que ele teria perdido a outra em uma luta de capoeira. Já o gorro vermelho tem inspiração na personagem portuguesa Trasgo, um ser encantado, segundo relata o site O calafrio. Ambos, Saci e Trasgo, são pequeninos e possuem poderes sobrenaturais.

Sobretudo nas comunidades rurais brasileiras, a lenda do Saci foi sendo transmitida de gerações a gerações pela oralidade, até ganhar ampla notoriedade com o livro “O sítio do Pica-Pau Amarelo”, do escritor Monteiro Lobato, que foi adaptado para uma série de TV, fazendo com que as aventuras do Saci ficassem ainda mais conhecidas pelo Brasil.

O Saci, além ser muito brincalhão, é um grande conhecedor das matas brasileiras. Ele tem um vasto conhecimento sobre plantas e ervas usadas para a fabricação de medicamentos naturais.

saci perere

Como celebrar o Dia do Saci

Na celebração do Halloween, as pessoas costumam se fantasiar. Para comemorar o Dia do Saci, vale a mesma estratégia, mas usando fantasias que remetam aos seres do nosso folclore, como o próprio Saci, o Caipora, a Cuca, o Boi da Cara Preta, entre outros.

Conte as lendas nacionais às crianças e organize uma peça de teatro com as personagens das histórias.

Valorização cultural

O importante é manter a tradição oral de perpetuar o nosso folclore para as gerações mais novas. Preservar a nossa cultura é um ato de resistência!

Talvez te interesse ler também:

Halloween: a bruxaria brasileira é a melhor de todas. Valorize!

Halloween: comemoremos o fim da Inquisição e da Caça às Bruxas

Gostosura ou travessura e outras brincadeiras para o Halloween

Sobre Gisella Meneguelli

Gisella Meneguelli
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.

Veja Também

Desmontando mitos: por que Gandhi não é unanimidade

Como dizia Nelson Rodrigues: “toda unanimidade é burra”. A radicalidade da evocação da fala do …