Leishmaniose canina: 4 regras básicas para preveni-la

leishmaniose canina

Leishmaniose canina, se você conhece, evita. É uma doença protozoária que, se não diagnosticada precocemente e tratada farmacologicamente, pode levar à morte. E, infelizmente, é cada vez mais comum entre os cães.

Daí a importância de não apenas preveni-la mas também de detectá-la rapidamente, o que não é propriamente fácil pois o cão pode estar infectado e não presentear sintomas.

A Leishmaniose

Os vetores que transmitem esta doença são as fêmeas de insetos dípteros, os flebotomíneos, gênero Lutzomyia (chamados de "mosquito palha")conhecidos como flebotomíneos, e o cão é o principal hospedeiro da doença no meio urbano.

Mosquito-palha

Zonas de risco 

Considerada pela OMS como uma das seis maiores epidemias parasitárias do mundo, na última década, por causa das mudanças nas condições climáticas e ambientais, vem ocorrendo um aumento no número de cães infectados pelo mosquito-palha e, assim, a propagação da leishmaniose mesmo em áreas que antes não eram consideradas de risco. 

Ciclo

Quando o cão é picado pelo mosquito, torna-se um portador do parasita e o período de incubação é muito variável e pode durar anos. O cão "positivo" para Leishmania se transforma em um hospedeiro do parasita, capaz de contaminar tanto outros cães quanto o homem. A picada do mosquito-palha nem sempre causa a doença, apenas uma certa percentagem de hóspedes a desenvolve.

A variabilidade da resposta à infecção depende principalmente do sistema imunológico do cão. Nos cães mais frágeis, o parasita se espalha por dentro do corpo, chegando a nódulos linfáticos, medula óssea e baço.

Sintomas

São sintomas da leishhmaniose as lesões na pele, a falta de apetite, perda de peso, lesões oculares, esplenomegalia, lesões oculares, claudicação, anemia, crescimento exagerado das unhas, insuficiência renal, diarreia.

Cachorro com leishmaniose

Terapia

Nos últimos anos, os períodos de tratamento foram prolongados como resultado da resistência do parasita às drogas mais comumente usadas.

Somente um médico veterinário pode diagnosticar e propor um tratamento tendo esta informação a vista.

4 regras para prevenir a leishmaniose

• limitar os passeios à noite com o cão;

• colocar o animal para dormir dentro de casa à noite, principalmente no verão, quando os mosquitos afloram e colocar mosquiteiros nas janelas;

• fazer uso de repelentes específicos, expressamente concebidos e feitos para proteger da picada dos flebotomíneos;

• Fazer visitas regulares ao veterinário.

Leia também: Pesquisadores brasileiros buscam soluções para a cura da leishmaniose

Fonte e fotos: vetpedia.it