©Divulgação/Forbes

Balsa-Açaí: a primeira fábrica flutuante do mundo movida a energia solar

Balsa-Açaí: a primeira fábrica flutuante do mundo movida a energia solar

A ‘Balsa-Açaí’ é a primeira fábrica flutuante do mundo movida a energia solar e irá circular pelos rios do Brasil.

O projeto pertence ao Transportes Bertolini em parceria com a empresa de produção de energia solar Velmont e conta com 675 painéis solares que cobrem a estrutura de 2 mil metros quadrados.

A balsa será totalmente off grid, ou seja, sem ligação à rede elétrica e o investimento total do projeto é estimado em cerca de R$ 20 milhões.

O objetivo da obra é construir uma indústria que processe até 20 toneladas de frutos de açaí e 12 toneladas de polpa congelada por dia.

A barca deverá circular pelos leitos dos rios localizados no Amazonas:

  • Solimões;
  • Japurá;
  • Juruá;
  • Purus;
  • Madeira.

Sistema de armazenamento BYD

O projeto conta com um sistema de armazenamento de alta capacidade da BYD Energy do Brasil, a maior fabricante nacional de módulos fotovoltaicos.

Parte da energia gerada é usada pelos painéis solares para “alimentar” a fábrica e o que sobra, somado à produção dos geradores complementares à diesel, é armazenado em baterias.

Segundo Marcelo Taborda, gerente de vendas da BYD, esse é o maior projeto da empresa com baterias de lítio b-box off-grid de todo o mundo. São 64 unidades B-Box usadas em um sistema off-grid com capacidade de 883 kWh de armazenamento.

A balsa deverá processar por dia:

  • 20 toneladas de frutos;
  • 12 toneladas de polpa congelada;
  • 300 toneladas do produto armazenadas em seus refrigeradores.

Mitigação de impactos

A obra busca ter um funcionamento totalmente sustentável.

A embarcação possui uma Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) que será responsável por tratar 15 mil litros de rejeito por hora.

Além disso, a intenção é que a água devolvida ao rio tenha qualidade superior do que a água captada para utilização primária na fábrica.

Comunidades ribeirinhas

Entre outros benefícios, a fábrica contribuirá com um aumento da renda das comunidades ribeirinhas em até 300%, alcançando R$ 5 milhões anuais.

A compra do açaí poderá ser feita direto com os fornecedores desses grupos ribeirinhos, além da criação de 50 novos empregos.

Conforme um relatório da Companhia Nacional de Abastecimento, a região norte corresponde a 92,1 % da produção total de açaí no Brasil.

A balsa está nas suas últimas fases de desenvolvimento.

Novas ideias movem o mundo!

Conheça mais sobre o projeto da indústria móvel:

Talvez te interesse também:

Energia solar em grande expansão no nosso país tropical (10 x mais em 1 um ano) 

Aneel quer retirar subsídios em energia solar: consumidores e meio ambiente no prejuízo 

Caroço de açaí vira fonte de energia descoberta por estudantes da escola pública 

Açaí reduz colesterol mau e ajuda na prevenção de doenças cardiovasculares

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *