©Cherry Laithang/Unsplash

Crise hídrica: a possibilidade de um apagão elétrico está à porta

Crise hídrica: a possibilidade de um apagão elétrico está à porta

Quem se lembra da crise do apagão no sistema elétrico brasileiro em 2001? Será que estamos prestes a reviver esse pesadelo 2o anos depois?

Vários fantasmas do passado parecem ter voltado a nos assombrar, e um deles é a possibilidade de um apagão elétrico. Os brasileiros já estão sentindo o efeito desse risco com a conta de luz mais cara.

Para quem não se lembra ou não era nascido em 2001, à época o governo federal estabeleceu blecautes programados para evitar um colapso do sistema elétrico brasileiro e residências e empresas foram obrigadas a reduzir o consumo de energia.

De lá para cá, muita coisa aconteceu com o nosso sistema elétrico, que recebeu muito investimento e se diversificou. Entretanto, com a crise hídrica que atingiu o Brasil este ano – a pior dos últimos 91 anos – medidas de racionamento precisarão ser tomadas.

De acordo com o UOL, o governo federal editou decreto que determina a redução de consumo de energia elétrica em órgãos da Administração Pública a partir de 1º de setembro. Espera-se uma economia no consumo de eletricidade entre 10% e 20% em relação à média de consumo do mesmo mês em 2018 e 2019, segundo o Ministério de Minas e Energia (MME).

Geração de energia

Apesar dos investimentos feitos nas últimas décadas, a maior geradora de energia elétrica no Brasil são as usinas hidrelétricas. Elas são responsáveis por produzir cerca de 80% da produção energética de todo o território nacional.

De acordo com o diretor do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Energia Elétrica (Inerge), o professor da Universidade Federal de Juiz de Fora Moisés Ribeiro, a situação só não é mais alarmante porque o país conseguiu introduzir novas fontes renováveis de energia elétrica:

“Temos uma condição climática peculiar nesse momento, a qual é de certa forma cíclica, mas também é resultado do impacto do ser humano no meio ambiente. Além disso, a sociedade atual é cada vez mais dependente de eletricidade. Entretanto, o setor vem fazendo vultosos investimentos em fontes renováveis, como a eólica e solar”.

Apesar disso, Ribeiro destaca a importância de toda a sociedade ser esclarecida sobre o problema para começar a adotar medidas de consumo racional de energia elétrica, para não impactar negativamente o meio ambiente e a qualidade de vida das pessoas.

Brasil está entre os 5 da energia renovável

Os ambientalistas criticam o impacto ambiental das hidrelétricas, mas foram elas que colocaram o Brasil em um lugar de destaque “em termos de geração renovável e evitou que houvesse no passado fortes investimentos em energia não renovável e de riscos ambientais muito maiores, a exemplo do gás, petróleo ou energia nuclear”, segundo Ribeiro.

Mais de 70% da energia elétrica produzida pelas usinas hidrelétricas brasileiras são renováveis, já que vem da força das águas. Isso faz com o Brasil esteja entre os 5 países que mais geram energia renovável no mundo.

Mas é preciso entender os conceitos:

O pesquisador salienta, ainda, que investimentos públicos em pesquisa, desenvolvimento e inovação devem ser feitos no setor energético, que não pode contar apenas com o clima. Trata-se, claro, de uma obviedade, visto que com as mudanças climáticas que vêm atingindo todo o mundo e provocando secas severas, como esta que o Brasil está vivendo, não dá mesmo para contar com a dança da chuva para gerar energia elétrica para um país do tamanho do nosso.

Talvez te interesse ler também:

Hidrelétricas, termelétricas, rodovias, etc. As ameaças aos povos indígenas isolados

Usinas Hidrelétricas e a Inundação da Amazônia – é Preciso Isso?

Estudantes do Amazonas criam mini-hidrelétrica para distribuir e baratear luz

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *