antartide

Temperatura na Antártida bate recorde histórico

Os cientistas do Met Office, um dos centros globais mais importantes em análises climáticas, recentemente divulgou que os termômetros vão subir cerca de 1,5°C até 2024.

Esse aumento já chegou à Antártida. O continente registrou a maior temperatura de sua história: 18,3 ºC, informa a Revista Galileu.

A leitura desse recorde histórico foi feita na Base de Esperanza, localizada na Península da Trindade. A marca superou a última medição de 17,5 ºC, registrada em março de 2015.

Isso significa um aumento de quase um 1 ºC em apenas quatro anos, uma demonstração de que o clima está mudando no planeta.

O continente antártico é uma das regiões mais sensíveis do mundo ao aquecimento global, tanto que lá, nas últimas cinco décadas, as temperaturas subiram cerca de 5 ºC. O resultado disso é que 87% de suas geleiras costeiras derreteram ao longo desses anos, sobretudo a partir de 2008.

De acordo com a Galileu, a razão da onda de calor que atingiu a Península Antártica é uma cadeia de alta pressão, que fez com que as rachaduras da geleira de Pine Island crescessem “rapidamente”, como mostraram imagens de satélite da Organização Meteorológica Mundial (OMM).

Para o pesquisador climático da Universidade Estadual de Ohio (Estados Unidos), David Bromwich:

“Esse registro parece ser um evento único que não nos diz nada sobre as mudanças climáticas na Antártica”, disse ao The Washington Post.

Entretanto, a glaciologista especialista em mudanças climáticas da Universidade de Washington (EUA), Eric Steig, declarou ao mesmo jornal uma visão diferente, de acordo com o Hapyness:

“Esse recorde não me aparece como uma surpresa. Por mais que exista uma variabilidade de década a década e a temperatura possa aumentar, a tendência observável por trás desses números e observável ao redor de quase todo o continente é alarmante”.

Nos próximos dias, as temperaturas devem continuar altas na região, variando entre 4,4 e 10 graus acima do normal.

Sobre Gisella Meneguelli

Gisella Meneguelli
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.

Veja Também

Madeira ilegal e glifosato em esquema de escravidão moderna em MG

De acordo com o Ministério Público do Trabalho, conforme publicação em sua página no Instagram, …