Não esqueça Mariana

  • atualizado: 

Quem é Mariana? Quem é essa de quem não devemos nos esquecer?

Talvez alguns já tenham se esquecido que, em novembro de 2015, aconteceu o rompimento da barragem de rejeitos de Fundão, sob a responsabilidade da mineradora Samarco, na cidade de Mariana (MG). Entretanto, a natureza se lembrará desse episódio por muitos anos, senão, para sempre!

Toda a lama da barragem que contaminou o rio Doce, devido à sua toxicidade, tornou-se o maior desastre ambiental do Brasil e, também, um crime social, haja vista que centenas de pessoas perderam tudo o que tinham ou foram drasticamente afetadas pelo rompimento da barragem.

Para que as pessoas não apaguem essa história de suas memórias, a atriz Mariana Ximenes usou a sua conta pessoal no Instagram para lembrar da tragédia e solicitar às autoridades competentes que atuem sobre o caso.

Segundo a atriz, a sua atitude se deu porque a cidade de Mariana deixou de ser notícia, após tanto espetáculo midiático explorando o lado trágico do acontecimento.

"A cidade de Mariana não é mais notícia. Já se foram dois anos da maior tragédia ambiental do Brasil e quase nada foi feito. Fui até Bento Rodrigues, distrito devastado da cidade. Vi a as casas, as ruas, o bar, a escola. Testemunhei a ação do tempo numa cidade fantasma. Mariana não pode cair no esquecimento. Nós não podemos deixar", justifica Mariana Ximenes. A atriz ainda pediu apoio a outras xarás, a atriz Mariana Rios e a ex-modelo Mariana Weickert.

A Samarco

A barragem de Fundão estava localizada no distrito de Bento Rodrigues, a 35 km de Mariana. A Samarco Mineração S.A. é um empreendimento conjunto entre as maiores mineradoras do mundo, a brasileira Vale S.A. (antiga Vale do Rio doce, aliás, nem daria mais para usar esse nome, já que a mineradora foi uma das responsáveis por acabar com o rio), e a anglo-americana BHP Billiton.

Embora a Samarco tenha criado uma fundação terceirizada para lidar com as indenizações das famílias afetadas pelo desastre, este já ocorreu e não há como remediá-lo. Ambientalmente, a Fundação Renova estima que seriam necessárias 20 milhões de mudas para recuperar as matas ciliares destruídas pelo rio de lama que devastou Bento Rodrigues e chegou à foz do rio Doce, no Espírito Santo.

Como bem lembra Mariana Ximenes, o processo judicial contra a Samarco, que incrimina vários de seus executivos, foi suspenso e apenas 1% das multas foi pago às famílias. Sem falar que eles continuam impunes.

De acordo com ambientalistas, os danos ambientais são irreversíveis: por cerca de 100 anos, o mar ainda sofrerá com os rejeitos depositados no rio Doce e várias espécies animais e vegetais correm risco de extinção.

Mesmo que o meio ambientai não possa ser mais recuperado, é imprescindível que sejam responsabilizados aqueles que foram negligentes com a questão da segurança da barragem, sendo cientes dos riscos que esse descuido podia causar.

Ajude a divulgar a campanha #NãoEsqueçaMariana para que o Brasil não se esqueça desta tragédia, para que as vítimas (pessoas e natureza) sejam ressarcidas em todos os seus direitos.