ONU: cai a fome no mundo e Brasil se destaca

ONU: cai a fome no mundo

O Brasil recebeu com festa o último relatório sobre o Estado da Insegurança Alimentar Mundial, produzido pela FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. Segundo o texto, apresentado ontem em Roma: “O número de pessoas que sofrem de fome a nível mundial diminuiu mais de 100 milhões na última década e mais de 200 milhões desde 1990-92”.

Dados do relatório sobre a fome

Embora haja razões, em nível mundial, para um certo contentamento com os resultados do documento, o fato é que ainda são 805 milhões de pessoas a sofrer com esse processo, de falta de alimentos, trocando em miúdos: 1 a cada 9 pessoas no mundo sofre com a fome – eram 18,7% e passaram a 11,3%; em nações em desenvolvimento eram 23,4% do total da população, contra 13,5% agora.

Caso os esforços prossigam, e se intensifiquem, há grande chance de se atingir o ODM - Objetivo de Desenvolvimento do Milênio – reduzindo-se, assim, pela metade, o total de pessoas que sofrem com desnutrição, até o ano de 2015.

A melhora do cenário da desnutrição está atrelada a países que atingiram patamares econômicos mais elevados, como é o caso, sobretudo, da Ásia; uma vez que favorece o próprio acesso aos alimentos. Já na África subsaariana, 1 a cada 4 cidadãos, passa fome.

Inclusive, a União Africana teve de assumir um compromisso de erradicação da fome até o ano de 2025. Além disso, a FAO indica que o dinheiro da iniciativa privada e pública, em união, podem reverter o quadro. Chama a atenção, no documento, ainda a questão de se elaborar programas de nutrição, que deem foco a crianças menores de 5 anos e mães.

O Brasil na FAO

Sobre o Brasil, o relatório da FAO afirma que foi conquistado um importante resultado: o de redução, pela metade, em 10 anos, do número de famintos. Isso se deveu, segundo o Governo, a uma série de políticas públicas, que vão desde o Programa Fome Zero, uma das primeiras iniciativas governamentais, após a época do começo do Plano Real, até a oferta de merenda escolar para 43 milhões de alunos de escolas em todo o país.

Entretanto, ressaltamos a importância de não se descansar sobre os louros de um bom resultado, mas sim perseguir a meta de erradicação total da fome em nosso país. Afinal de contas, nada mais nada menos, que 3,4 milhões de pessoas, ainda passam fome, no Brasil.

Leia também: Reaproveitamento de alimentos: comece em casa a luta contra o desperdício

Fonte foto: pulsamerica.co.uk