INCA pede redução de veneno na mesa do brasileiro

INCA

Enquanto a OMS soa o alarme da relação agrotóxico-câncer, o Instituto Nacional do Câncer, INCA, divulgou uma nota lembrando que quatro dos pesticidas perigosos listados pela Organização, são amplamente usados no Brasil, país que lidera o consumo de agrotóxicos no mundo inteiro, alertando também sobre o risco de contaminação dos alimentos. O instituto pede a redução do uso de agrotóxicos imediata no país. 

Um estudo feito pelo INCA, chamado  “Agrotóxicos Brasil: um guia para ação em defesa da vida”, publicado em 2011 pela pesquisadora Flavia Londres, revelou que o Brasil se tornou o maior consumidor deste produto ao ultrapassar a marca de 1 milhão de toneladas no ano de 2009, valor que representa o consumo médio de 5,2 kg de veneno agrícola por habitante.

Segundo o estudo, a liberação do uso de sementes transgênicas foi uma das responsáveis por colocar o Brasil no primeiro lugar deste triste ranking, já que o cultivo deste tipo de alimento exige grandes quantidades de agrotóxicos. E, a prova incontestável de que estamos ingerindo muito mais destes produtos, é o aumento nas vendas registrado no país, saltando de US$ 2 bilhões para US$ 7 bilhões entre 2001 e 2008, e alcançando valores recordes de US$ 8,5 bilhões em 2001.

A disseminação de tanto agrotóxicos nas plantações significa um iminente risco à saúde humana, gerando problemas como poluição ambiental e intoxicação de pessoas, entre elas os trabalhadores e os moradores das regiões onde se realiza o plantio e as criações.

Dos efeitos causados pela exposição aos agrotóxicos, segundo o documento do INCA, estão a infertilidade, impotência, abortos, desregulação hormonal, malformações, neurotoxicidade, efeitos sobre o sistema imunológico e até câncer.

O INCA também se respalda nas análises feitas por órgãos oficiais, como a Agência de Vigilância Sanitária, a Anvisa, mostrando que a contaminação não ocorre somente em alimentos in natura, mas também em produtos processados pela indústria, tais quais pães, cereais, lasanhas, pizza, salgadinhos e muitos outros. Isso ocorre porque estes alimentos possuem em sua composição, ingredientes como a soja, o milho e o trigo. Aliás, quase tudo possui esses três grupos de alimentos, os mais consumidos no planeta ao lado da batata e do leite.

É importante lembrar que o combate aqui é contra os agrotóxicos e não contra alimentos importantes como a verdura, frutas e legumes, fundamentais para uma vida saudável e sem doenças. São os agrotóxicos que contaminam o solo, as fontes naturais, a água e tudo ao redor destes alimentos e é ele que precisa ser combatido.

O INCA finaliza o documento afirmando que a política de incentivo à produção de agrotóxicos deve mudar, retirando a isenção de impostos ao setor na compra destes produtos, e liberando tipos de substâncias proibidas em outros países pelo mal comprovado que fazem.

Leia também: Roundup da Monsanto e o desenvolvimento de bactérias superresistentes

Fonte foto: freeimages.com