cérebro-alimentação
cérebro-alimentação

Psiquiatria nutricional: alimentar-se mal pode causar ansiedade, depressão e outras doenças mentais

É de conhecimento geral que a alimentação influencia muito na saúde física, mas somente há pouco tempos os estudiosos começaram a pesquisar o quanto os alimentos também podem ser fatores importantes na saúde mental. Nesse sentido, têm crescido muito as descobertas no ramo da psiquiatria nutricional, área da psiquiatria que utiliza a nutrição como forma de prevenção e tratamento de doenças mentais.

Nesse sentido, a psiquiatria utiliza-se de suplementos dietéticos como forma complementar no tratamento de distúrbios como depressão, TDAH e esquizofrenia, o que também pode melhorar muito a qualidade de vida dos pacientes que sofrem com os efeitos colaterais dos remédios, como antidepressivos.

Segundo os estudiosos da área, as pessoas não recebem todos os nutrientes necessários para que o cérebro funcione corretamente, o que pode levar a processos inflamatórios no sistema nervoso. A inflamação está por trás de muitas doenças mentais, pois o processo causa morte de neurônios, facilitando o aparecimento de distúrbios.

Cérebro, sistema digestivo e prevenção de doenças

Além de proteger o cérebro, uma alimentação adequada também protege o sistema digestivo, que tem papel importante na prevenção de inúmeras doenças. Segundo o médico e pesquisador da Faculdade de Ciências Médicas – FCM, Mário José Abdalla Saad, em palestra do I Simpósio de Psiquiatria, Ciências de Alimentos e Nutrição: As Chaves do Eixo Intestino-Cérebro, ocorrido na UNICAMP, SP; a microbiota tem função muito parecida com a do Sistema Nervoso Central, exercendo influência em todo organismo.

Diversos suplementos de probióticos foram examinados em estudos clínicos, justamente para avaliar o impacto na saúde mental. Os pesquisadores descobriram que a suplementação de probióticos e vitaminas, como as do complexo B e D3 pode ajudar na melhora da depressão e ansiedade.

Segundo o professor de neurocirurgia e ciências filosóficas da Universidade da Califórnia, nos EUA, Fernando Gómez-Pinilla, nutrientes como o Ômega 3, presente em diversos alimentos, como peixes e nozes, têm função protetiva do cérebro. Sua ausência está associada a um risco maior de desenvolvimento de doenças mentais, como dislexia, depressão, transtorno bipolar e esquizofrenia.

Já o psiquiatra Ricardo Sbalqueiro lembra da importância do equilíbrio entre corpo e mente para prevenir doenças mentais e o quanto investir em alimentação e atividades físicas pode melhorar o bem-estar dos pacientes.

Talvez te interesse ler também:

INTESTINO TEM A VER COM HUMOR, DEMÊNCIA, ALZHEIMER, AUTISMO E OUTRAS DOENÇAS

INTESTINO E DEPRESSÃO: UMA QUESTÃO DE LIMPEZA

REPOLHO CURA: CONHEÇA OS USOS MEDICINAIS DESTE ALIMENTO

Sobre Daia Florios

Daia Florios
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP. É fundadora e redatora-chefe em GreenMe Brasil.

Veja Também

614G: a mutação que fez o coronavírus se espalhar pelo mundo

Vírus mutam. Dizem os virologistas que é da natureza deles mutarem para sobreviverem, e algumas …