15 mil crianças foram salvas pelas mudanças na legislação do cigarro

  • atualizado: 
parar de fumar

A proibição do cigarro em locais públicos, trouxe ótimos resultados para a saúde das crianças, de acordo com um estudo realizado pelo Inca. Devido às mudanças restritivas com relação ao cigarro, o Brasil conseguiu evitar a morte de 15 mil crianças, diz o estudo.

A reportagem é do site do G1, que destacou os dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no dia 31 de maio, definido como o Dia Mundial sem Tabaco.

O estudo em questão, foi realizado pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), com o apoio do Imperial College of London e do Centro Médico Erasmus da Holanda. Analisando a saúde brasileira entre os anos 2000 e 2016, eles confirmaram que as mudanças relacionadas ao fumo evitaram a morte de 15 mil crianças no país. Esse resultado comprova a necessidade de reforçar que essas medidas também sejam tomadas em outros países, pois apenas 20% da população mundial está protegida por leis contra o fumo em locais públicos.

Fumantes podem até entender o risco que causam para a própria saúde, mas não se atentam para o fato da fumaça tóxica que soltam afetar a saúde das pessoas que não fumam, principalmente dos bebês e crianças que convivem com eles. As substâncias químicas presentes no cigarro causam não apenas a morte de crianças, mas também pode afetar o desenvolvimento delas, desde quando estão no útero das mães.

Além de partos prematuros e o baixo peso no nascimento, bebês recém-nascidos sofrem muito com doenças respiratórias que podem desencadear quadros de asma e até mesmo a morte-súbita deles. Esses dados são reais e foram colhidos de pesquisas realizadas entre recém-nascidos vivos e mortos, bem como em óbitos infantis ocorridos de 2000 até 2016.

O sucesso dessa comprovação deu-se após a mudança na legislação brasileira ocorrida em 2014, a qual proíbe o fumo em áreas públicas fechadas (parcial ou completamente). Essa medida fez com que a mortalidade infantil fosse reduzida em 5,2% e a neonatal em 3,4%, no Brasil. Outras medidas como a criação de espaços reservados para fumantes em estabelecimentos e casas noturnas, também tiveram consequências positivas, mas apenas no quesito mortalidade infantil, com redução de 3,3%.

O médico do Inca, André Szklo, faz o apelo:

"As crianças têm o direito de serem protegidas contra as doenças causadas pelo cigarro. Pedimos aos governos do mundo que introduzam novas leis antifumo abrangentes para proteger a saúde infantil".

Não apenas pela saúde infantil, mas quem deseja ter a saúde e os pulmões saudáveis, não é obrigado a respirar a poluição produzida por quem tem plena consciência das consequências do ato de fumar. A redução nas mortes infantis deveriam ocorrer não só por leis impostas sob pena de multa, mas sim pela valorização do ser humano e pela empatia para com o próximo. Ou seja, a humanidade ainda está muito longe de evoluir pelo simples fato de colocar-se no lugar do outro, mas temos esperança de que essa proeza um dia aconteça.

Talvez te interesse ler também:

IMAGENS CHOCANTES NOS MAÇOS DE CIGARROS REALMENTE FUNCIONAM? VEJA O QUE DIZ UM ESTUDO

ALERTA PESQUISA CIENTÍFICA: FUMAR, MESMO QUE SÓ 1 CIGARRO POR DIA NA GRAVIDEZ, PODE PREJUDICAR O BEBÊ!

CIGARROS PREJUDICAM SERIAMENTE O MEIO AMBIENTE. PALAVRA DA OMS

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!