Chef americano utiliza maconha como aliada à alimentação saudável

Chef americano utiliza maconha

Um famoso chef de cozinha do estado norte-americano no Arizona tem feito experimentos culinários muito interessantes: ensina às pessoas que têm permissão legal para adquirir maconha para finalidades médicas, a fazerem diversas combinações entre a erva e alimentos saudáveis, de modo a reforçar seus efeitos positivos e curativos sobre a saúde.

Payton Currry declrara ainda que há muito desconhecimento sobre as propriedades medicinais da maconha. Por exemplo, ele faz uma mistura com mel e cannabis, que deve ser consumida por crianças que tenham câncer ou que sofrem com convulsões.

A carreira do chef

Proprietário do Brat Haüs e graduado pelo Institute of America, este chef é uma farmácia moderna, onde combina seu talento para cozinhar com o desejo de ensinar as pessoas sobre os benefícios da maconha medicinal. Além dos dotes culinários, Payton também ensina a fazer tinturas, pomadas e cremes.

"Eu quero ver a vida das pessoas melhorarem da forma mais saudável e mais agradável possível, ensinando-lhes como fazer em casa estas misturas", disse Curry. "Eu estou falando da extração vegetal completa. Estou falando sobre o uso da fibra e dos talos para usar os canabinóides das folhas".

Curry tem ajudado cerca de 40 famílias, oferecendo serviços gratuitos para os pacientes que sofrem de doenças debilitantes tais como câncer, epilepsia e doença de Crohn. A única restrição à ajuda é que os pacientes devem haver permissão, licença médica, prévia, para o tratamento com a cannabis.

A dose

E qual é a dose justa?

De overdose ninguém morreria, diz Kathy Inman, diretora estadual do grupo para a defesa da cannabis, a NORML, que recomenda: "50 mg de cannabis para qualquer tipo de comida e 25 mg para quem não quiser consumir muito". É uma dose médica. "O mais importante é que o próprio paciente encontre a quantidade justa para tratar os seus sintomas", diz.

Nem tudo que é natural é bom, dizem...

"Só porque algo é natural não significa que seja bom", disse o professor Dean Chiarelli da Universidade Estadual do Arizona, um nutricionista e especialista em educação e saúde.

As pessoas devem entender que a maconha é um produto farmacêutico como qualquer outro, e isso pode ter efeitos negativos quando combinados com certos alimentos ou com outros produtos farmacêuticos, afirmou.

Embora a maioria dos nutricionistas não promoverá a maconha medicinal como uma terapia alternativa, há um consenso geral de que a cannabis é aceitável quando usada em conjunto com outros medicamentos e terapias recomendadas pelo médico, disse Chiarelli.