Brasil e EUA não participam de aliança internacional para combater coronavírus

Uma aliança internacional está sendo feita para buscar uma vacina para o novo coronavírus.

Nessa segunda-feira (4), uma conferência organizada pela União Europeia (UE) promoveu um fundo de desenvolvimento para a criação de uma vacina para o Sars-CoV-2 no valor de 7,4 bilhões de euros (cerca de R$ 45 bilhões), dos quais 53% serão destinados às futuras vacinas, 26% para pesquisar novos tratamentos e medicamentos, e 20% para desenvolver testes de diagnóstico, informa o site R7.

O recurso será usado para desenvolver melhores medicamentos e diagnósticos enquanto a vacina não é descoberta. Embora o objetivo principal do fundo seja a vacina, espera-se garantir que ela chegue ao mundo todo, conforme assegurou a presidenta da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Várias lideranças internacionais, além dos representantes da UE, participaram da videoconferência, que não contou com a participação de Estados Unidos, Brasil, Rússia e Índia. Já o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, afirmou que

“não poderemos voltar à normalidade antes de termos uma vacina”.

Estão em andamento 115 projetos de investigação de vacinas, sendo que a maior parte deles recebe investimento privados.

Procurados por uma reportagem da UOL, tanto o Itamaraty quanto o Ministério da Saúde permaneceram em silêncio quando questionados por que o Brasil não participou do evento. Após a publicação da matéria, a pasta da saúde se manifestou dizendo que está buscando “outras parcerias”, mas não mencionou quais.

‘Vamos ficar sem vacina por opção’

Talvez te interesse ler também:

A corrida entre lucro e segurança para encontrar uma vacina contra o coronavírus

Coronavírus: mortalidade de enfermeiros no Brasil é a maior do mundo

O mundo quer saber de onde veio o coronavírus. Vários países pedem investigação independente

Brasil já escolhe quem sobreviverá ao novo coronavírus: os ricos

Sobre Gisella Meneguelli

Gisella Meneguelli
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.

Veja Também

Papa Francisco

Momento histórico: Papa Francisco se diz favorável ao casamento homossexual

É a primeira vez que um papa se pronuncia a favor da união civil entre …