Contos clássicos vistos pelo olhar da cultura brasileira

A pesquisadora Elaine Hernandez de Souza, que defendeu a tese de doutorado Diálogo entre diferentes temporalidades refratadas em textos verbo-visuais de periódicos brasileiros contemporâneos pela USP, decidiu rever os contos clássicos através das tirinhas brasileiras e revelou mudanças ocorridas nas intepretações dessas histórias pelo olhar da nossa cultura.

Por exemplo, na história da Chapeuzinho Vermelho, a Vovozinha e o Lobo Mal são amantes; a Branca de Neve engordou e os Três Porquinhos deixaram de ser o cardápio preferido do Lobo porque ele pode comer hamburgueres e pizzas.

Essas novas leituras sobre os contos de fadas, encontradas em crônicas e tirinhas publicadas em jornais e revistas brasileiros, foram analisados por Elaine, que conclui que eles “estão presentes na sociedade há muitos séculos, mas de acordo com a forma como circulam na sociedade, eles recebem um novo significado a partir do repertório cultural próprio de cada época”. Na pesquisa, foram investigados textos do escritor Millôr Fernandes e tirinhas do cartunista Fernando Gonsales.

De Millôr, foram analisados os textos das chamadas “Fábulas Fabulosas”, publicados em várias revistas semanais na década de 1980 e, de Gonsales, foram analisadas 56 tirinhas publicadas entre 2004 e 2011.

Elaine explica que, na pós-modernidade, há uma flexibilização dos papéis representados pelas personagens dos contos de fadas, porque eles são desconstruídos para mostrar uma realidade não idealizada, o que é muito claro nas crônicas e nas tirinhas.

Veja as obras de Millôr e Gonsales abaixo:

Leia também:

ATRAVÉS DE UM TRICICLO, A LEITURA SE ESPALHA NAS VIELAS E RUAS DO MORRO DO ZINCO, RJ

Pediatras americanos recomendam a leitura em voz alta para crianças desde o nascimento

Fonte fotos: usp