Prefeitura de São Paulo libera ônibus para desempregados

A ação não era uma promessa de campanha, como o bilhete mensal que demorou mais do que o previsto para ser implantado, mas vem bem a calhar em um momento no qual a crise econômica começa a custar empregos no país, o Bilhete Único Especial para desempregados da cidade de São Paulo, uma espécie de passe livre para os cidadãos paulistanos em situação de desemprego.

O decreto que regulamentou a proposta do bilhete especial foi assinado pelo prefeito Fernando Haddad e publicado no Diário Oficial da capital paulista no último dia 10, terça-feira, mas ainda não foi definida a data em que o serviço passará a ser concebido.

Inspirado no bilhete metrô especial

A ideia não é nova, pois foi criado pelo Governo do Estado quando ordenou que o Metrô e a CPTM criassem bilhetes e formulários que garantissem a passagem de todo trabalhador desempregado que utilizasse os dois serviços (metrô só existe na capital e o trem em algumas cidades, principalmente da Grande São Paulo, e quase ausente no interior).

Como vai funcionar?

O funcionamento será quase o mesmo do Metrô e CPTM. Assim como eles, o Bilhete Único Especial será concedido aos desempregados, mas somente da capital, por um período de 90 dias de acesso.

É pessoal e intransferível, e não terá renovação ao fim do período de utilização, mesmo que o usuário não tenha conseguido recolocação no mercado de trabalho.

Diferenças e semelhanças

São poucas as diferenças entre os sistemas da administração governamental e municipal.

Entre elas, o limite diário de viagens nos ônibus, ainda há ser definido, enquanto que os sistemas do Metrô e CPTM não delimitam um número exato para uso diário.

Outra diferença é a liberação do bilhete da prefeitura somente depois do período de recebimento do seguro-desemprego, que pode variar entre três e cinco meses, enquanto que o Metrô e a CPTM liberam seus acessos imediatamente após a demissão assinada na carteira de trabalho.

Entre as semelhanças, caso o usuário encontre um emprego, o bilhete será cancelado imediatamente. O mesmo acontecerá em uso indevido, como emprestar o bilhete a outrem.

Caberá agora a Secretaria Municipal de Transportes e a São Paulo Transporte S.A. a definição das normas de operação do bilhete, como o número de embarques diários permitidos, por exemplo, e fiscalizar sua utilização.

Atualmente, a região metropolitana de São Paulo possui uma taxa de 13,7% de desocupados, segundo dados do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socieconômicos (Dieese), o que representa um número de 1,5 milhão de pessoas. Grande parte dessas pessoas são moradores da cidade de São Paulo, cidadãos que precisarão demais do novo bilhete especial para encontrar um novo emprego.

Leia também:

SÃO PAULO FARÁ COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS DE SUAS FEIRAS LIVRES

PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA ESTUDAM E CULTIVAM HORTAS EM SÃO PAULO

JARDIM VERTICAL É ALTERNATIVA VERDE PARA O MINHOCÃO EM SÃO PAULO

Fonte foto: issoenoticia