Conheça os grupos de pedal nas capitais do país

  • atualizado: 

foto

Você sabia no dia 22 de setembro se celebra o Dia Mundial sem Carro? Pois é, aqui em São Paulo, e acredito que no restante do país, as pessoas continuaram a utilizar seus veículos sem se importar com a data, mas isso não significa que o dia passou incólume. Nada disso! O Dia Mundial sem Carro também serve para promover importantes debates sobre mobilidade urbana em diversas regiões do Brasil, envolvendo principalmente o número exagerado de carros nas grandes metrópoles e os problemas que disso advém, nos levando a pensar em alternativas de transporte, como a bicicleta.

Mas para a bicicleta realmente funcionar como meio de transporte, é preciso dar vazão a este veículo e respeitar seu direito de ir e vir.

É assim que pensa a ONG da Roda da Paz por meio de sua coordenadora, Renata Florentino, que afirma ser necessário repensar o desenho urbano para buscar cidades mais humanizadas. Ou seja, o espaço viário não pode ficar a cargo somente dos carros, as bicicletas devem receber o seu devido espaço, que vai muito além da simples recreação nos parques.

E o Pedala Manaus, na capital do Amazonas, é uma iniciativa que tinha, primeiro o objetivo de reunir amigos para pedalar, como acontece em vários locais pelo Brasil, depois se tornou algo mais. A ideia cresceu e se tornou em um centro de promoção deste sustentável meio de transporte. Claudia Oliveira, uma das coordenadoras do grupo, afirma que o “grupo ainda promove passeios noturnos, mas também realiza atividades educativas e interlocução com o poder público”.

Essa ideia recebeu a inspiração histórica dos passeios de bicicleta conhecidos como "Critical Mass", "Massa Crítica" ou, como ficaram conhecidas por aqui, as "bicicletadas". Tudo começou nos Estados Unidos, na década 1990, e em expansão no Brasil na década de 2000, o movimento busca um novo modelo de cidades baseado nas pessoas e não em carros.

E o movimento surtiu efeito em Manaus, mais precisamente nos Planos Diretores das cidades, que agora (algumas) até disputam para ver qual município fará mais ciclovias.

Evidentemente, a ciclovia não basta. É preciso normas educativas no trânsito dos carros e dos pedestres, além dos próprios ciclistas que não podem ter a mesma atitude intolerante dos carros só por estarem nas pistas. O bom e velho “rua não é lugar de pedestre, e sim na calçada”. Nada disso.

Outras ações como a diminuição da velocidade máxima dos veículos também colabora com a implantação das bicicletas como meio de transporte, além de diminuir as chances de acidentes. Exatamente como tem acontecido em São Paulo com a normas de redução de velocidade do prefeito Fernando Haddad. Antes tão criticadas, não somente os atropelamentos caíram em mais de 30% como também o tempo parado nas marginais e outras avenidas afetadas pela redução, diminuiu.

Basta ter a mente a aberta e não ficar presos em velhos dogmas e costumes para aceitar que a bicicleta é sim um meio de transporte e que chegou para ficar.

Aliás, em São Paulo as ciclovias já aumentaram o número de ciclistas em mais de 40%, conforme divulgação da Companhia de Engenharia e Trafego (CET), no dia 21 de setembro.

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!