Festival de Yulin não acabou e o comércio de carne de cães continua na China

Embora o governo chinês tenha retirado os cães e gatos da lista de animais comestíveis na China, o Festival de Yulin, conhecido pelo comércio de carne de cachorro, continua acontecendo e os cães continuam sendo comercializados no mercado negro.

Na semana passada, ativistas chineses conseguiram resgatar alguns cães que estavam presos em gaiolas, pois eles seriam abatidos, mesmo com a proibição do Ministério da Agricultura da China sobre o consumo da carne desses animais. Na ocasião, uma das ativistas relatou sua experiência ao retirar os cãezinhos das gaiolas.

Agora, um outro ativista, Davide Acito, coordenador do Projeto Animal Action, lamenta que esse crime continue acontecendo, pois apesar da proibição do governo, não há uma punição severa para quem o comete e, sendo assim, o Festival de Yulin continua acontecendo.

Segundo informações do programa televisivo Le Iene, da Itália, Davide Acito lamentou o fato de o mercado de carne não ter parado. Às vésperas do Festival de Yulin, Davide e seu grupo de ativistas tentaram resgatar o máximo de cães que puderam, mas isso não foi suficiente para fazer o mercado parar.

Apesar dos restaurantes de luxo estarem paralisados,

“99% da carne é vendida como comida de rua ou de outras formas no mercado negro”, disse Acito.

Segundo ele, a situação parece pior do que no ano passado e as imagens dos cães presos nas gaiolas não param de chegar.

Além disso, um novo surto de coronavírus foi registrado no mercado de Pequim e, sobre isso, Davide diz ser inaceitável existir o bloqueio de um lado da China, enquanto no outro é celebrada a tortura e comilança de carne de cachorro, sem qualquer punição ou segurança alimentar.

A edição do Festival de Yulin deste ano, teve início no último domingo dia 21 e vai até o dia 30 de junho. Na internet é possível ver diversas imagens dessa crueldade.

View this post on Instagram

Il solstizio d’estate è un giorno felice, ma non per migliaia di cani e gatti uccisi per la loro carne in Asia. Oggi inizia il crudele, e tutt’altro che tradizionale, #YulinFestival, creato nel 2010 dai venditori per aumentare le vendite. Migliaia di cani e gatti presi da strade o rubati da cortili, vengono rinchiusi in gabbie e stipati su tir, senza cibo e acqua. Molti muoiono per le ferite, soffocamento, disidratazione o infarto prima di raggiungere la loro triste destinazione, il macello. HSI lavora da anni con partner locali per spingere le autorità a mettere fine a questo business crudele che uccide migliaia di animali illegalmente. Vuoi aiutarci? #StopYulin #salviAmo #cani #HSIItalia

A post shared by HSI Italia (@hsiitalia) on

View this post on Instagram

A poche ore dall’apertura del “Festival” cinese della carne di cane, sono stati salvati 10 cuccioli destinati alla vendita in un mercato alle porte di #Yulin. Alcuni attivisti animalisti cinesi hanno trovato animali già macellati sulle bancarelle del mercato di Nancho, mentre appena fuori Yulin, hanno scoperto un banchetto con una gabbia piena di cuccioli ancora vivi, che fortunatamente sono riusciti a portare in salvo. Insieme agli attivisti animalisti cinesi continueremo ad esortare le autorità locali ad accogliere, non solo a parole, la recente dichiarazione del governo nazionale, secondo il quale i cani sono compagni e non “bestiame” e quindi ad interrompere l’evento che dovrebbe avere inizio il prossimo 21 giugno. Non solo per il bene degli animali, ma anche per la salute e la sicurezza dei suoi abitanti. Con la conferma di nuovi casi di #COVID_19 collegati ad un mercato di Pechino, dare il via libera ad un festival molto affollato rappresenta un rischio significativo per la salute pubblica. Aiutaci a salvare quanti più animali possibile 👉 link in bio #salviAmo #cani #stopyulinfestival #stopyulin #HSIItalia . . . #yulindogmeatfestival #yulinfestival #banyulinfestival #banyulinforever #dogmeattrade #dogmeatfestival

A post shared by HSI Italia (@hsiitalia) on

Ativistas de todo mundo realizam campanhas e abaixo-assinados para acabar com essa matança, na tentativa de eliminar de vez um costume que não faz mais sentido para uma sociedade que se diz civilizada. Contudo, infelizmente parece que isso está longe de ter fim…

Talvez te interesse ler também:

Semana Mundial Sem Carne: fazendo bem a si e ao planeta

O apetite chinês por carne fresca e o coronavírus alimentam a nossa hipocrisia

Semana Mundial Sem Carne: fazendo bem a si e ao planeta

Sobre Eliane A Oliveira

Eliane A Oliveira
Formada em Administração de Empresas e apaixonada pela arte de escrever, criou o blog Metamorfose Ambulante e escreve para GreenMe desde 2018.

Veja Também

5000 pets encontrados mortos em empresa de transporte. Um comércio que muita gente sustenta

Coelhos, porquinhos-da-índia, cães e gatos. Pets que estavam sendo transportados de um lugar a outro, …