Adeus Florestas em 2030? Veja quais são os “pulmões verdes” mais em risco

Mudança climática: se não cessarmos o desmatamento em até 2030 iremos perder até 170 milhões de hectares de florestas. A WWF tem ideias claras: o que precisamos é de uma agricultura sustentável, integrada aos processos que respeitem a natureza e que elimine qualquer tipo de desperdício. E ao contrário disso, a tendência que se vê é a do aumento de áreas agrícolas que destroem as florestas.

Em seu mais recente relatório sobre as florestas, lançado por ocasião do encontro internacional “Tropical Landscapes Summit: A Global Investment Opportunity” em Jacarta, na Indonésia, a WWF afirma que, se nada for feito rapidamente para bloquear esta tendência, haverá uma mudança climática perigosa com perdas econômicas substanciais.

E não é só isso: até 2050, os hectares desmatados poderão chegar a 230 milhões. O desmatamento deve ser reduzido a zero em até 2020 para podermos sobreviver. Onze lugares ao redor do mundo – incluindo 10 nos trópicos – até 2030 serão responsáveis ​​por mais de 80% da perda de florestas em todo o mundo.

Aqui estão os “pulmões verdes” em maior risco:

– Amazônia

– Mata Atlântica e Gran Chaco

– Borneo

– Cerrado

– Choco-Darien

– África Oriental

– Austrália oriental

– Greater Mekong

– Nova Guiné

– Sumatra

– Bacia do Congo

“Imagine uma floresta que se estende por toda a Alemanha, França, Espanha e Portugal exterminada em apenas 20 anos, disse Isabella Pratesi, diretora do programa de Conservação Internacional da WWF Itália -. Estamos tentando salvar as comunidades e culturas dependentes das florestas, para que estas continuem a armazenar carbono, a filtrar a água e a fornecer madeira e habitat para milhões de espécies.”

Leia também: Os 10 produtos mais comuns que contribuem para o desmatamento

As causas desta catastrófica previsão? A pecuária, a produção dos óleos de palma e de soja, a invasão das atividades agrícolas que cortam e queimam florestas, o corte insustentável para a coleta de madeira. É por isso que a WWF propõe uma agricultura sustentável que se integre aos processos circulares da natureza e que acabe com o desperdício de alimentos, eliminando as atividades agrícolas e de pastagens que, de fato, destroem as florestas ainda remanescentes.