Matrix? O universo é apenas uma projeção, um holograma!

  • atualizado: 
holograma

Já aconteceu em alguma conversa de bêbado, de gênios ou de simples físicos, pesquisadores e antenados na ciência, dizerem que nossa vida seria uma matrix? Matrix, uma ilusão da realidade criada por um sistema inteligente. Ou então de pessoas que leram o best seller “Eram os Deuses Astronautas?” jurarem de pé junto que existe vida muito mais avançada em outros planetas?

Como dissemos ontem mesmo aqui, do Universo, só sabemos que nada (ou quase nada) sabemos, dada a sua grandeza e a nossa insignificância perto dele.

Leia mais: GANHE ANOS-LUZ DE SABEDORIA CONHECENDO A DIMENSÃO DO UNIVERSO E A IMPORTÂNCIA DO SER HUMANO

Uma nova pesquisa (From Planck Data to Planck Era: Observational Tests of Holographic Cosmology) combinou aspectos teóricos da física do Universo primordial à estudos relacionados com a estrutura fundamental da matéria. A análise, por demais complexa, foi publicada na Physical Review Letters e abre caminho para uma melhor compreensão do cosmos, de como nasceu o espaço e o tempo em que vivemos.

A pesquisa, de certo, não diz que o Universo é uma matrix criada por alienígenas super avançados, ou os deuses astronautas, mas apenas constata que aquilo que vemos do Universo, suas dimensões, seriam por assim dizer, ilusão de ótica, um holograma, uma projeção ou como quiser chamar. Ou seja, o Universo é uma realidade criada no horizonte cósmico.

"A hipótese de que o nosso universo funcione como um holograma enorme e complexo foi formulada na década de 90 do século passado por vários cientistas, recolhendo evidências teóricas em vários campos da física de interações fundamentais", explicou ao jornal la Repubblica Claudio Coriano, pesquisador e um dos autores do estudo.

A origem de tudo

Acredita-se que o Universo tenha nascido da grande explosão inicial, denominada Big Bang, ocorrida há quase 14 bilhões de anos. Depois da explosão inicial, o nosso Universo teria se expandido até chegar à sua aparência atual que conhecemos. Mas esta expansão, ainda está em curso, rapidamente, e não é de todo compreensível. Hoje, no modelo atual, estuda-se o Universo através da combinação da matéria visível com a matéria escura e a ação da misteriosa energia escura, uma forma hipotética de energia que estaria distribuída por todo espaço e que tende a acelerar a expansão do Universo, e seria a principal responsável por tal expansão acelerada.

Contudo esta nova pesquisa, propõe um modelo alternativo, baseado em novas observações sobre um Universo holográfico.

O que é um holograma?

Holografia é uma técnica de registro de padrões de interferência de luz, que geram ou mostram imagens em 3 dimensões. Os hologramas são registos de objetos que quando iluminados permitem a observação dos objetos que lhe deram origem. Os hologramas registram também a fase da radiação luminosa proveniente do objeto e informa a posição relativa de cada ponto do objeto iluminado, permitindo reconstruir uma imagem com informação tridimensional.

O estudo

Partindo do conceito de um holograma comum, os físicos teóricos construíram um modelo em que o Universo inteiro é um holograma e descreveram um ponto do Universo usando quatro dimensões, três espaciais e uma dimensão "extra" no tempo.

A conclusão do estudo é de que as observações são compatíveis com este modelo de Universo.

Para o estudo, os pesquisadores utilizaram imagens feitas pelo satélite europeu Planck, projetado para estudar a radiação cósmica de fundo. Ao analisar a estrutura dessa radiação de fundo, considerada o “eco" do Big Bang, encontraram as pistas da natureza holográfica do Universo.

De onde viemos, para aonde vamos?

Além de nos fazer refletir sobre a nossa ignorância diante de conceitos tão complexos e ao mesmo tempo abstratos, os autores esperam que este resultado possa abrir o caminho para uma compreensão mais profunda do Universo, do tempo e do espaço em que vivemos.

Eis uma ciência que realmente nos fascina!

Leia mais sobre Universo:

PREPARE-SE PARA AS CHUVAS DE METEOROS QUE PROMETEM ILUMINAR O CÉU EM 2017

CIENTISTAS PODEM TER DESCOBERTO ELEMENTO MISTERIOSO DO CENTRO DA TERRA

PROXIMA B, NOSSO VIZINHO ESTELAR HABITÁVEL