Embratur solicita formalmente à Funai a entrega de terra indígena para construção de resort

  • atualizado: 
Índios Brasil

Sabe aquele quadro clássico de programas de auditório em que se faz uma proposta a um participante e este, sem ouvir a pergunta, precisa responder 'sim' ou 'não'? “Você troca um carro zero por uma banana?” “Siiiiim!!!". Pois, segundo denúncia feita pelo The Intercept Brasil nesta segunda-feira (28), o presidente da Embratur, Gilson Machado Neto, encaminhou formalmente um pedido à Funai do tipo "você troca os direitos dos povos tradicionais por privilégios para o setor hoteleiro?".

Seria cômico se não fosse mais um capítulo da tragédia desses povos sob o governo de um presidente que, mesmo antes de se eleger, anunciava aos quatro ventos que não demarcaria um centímetro a mais de terra para indígenas e quilombolas.

Terra indígena para resort

O alvo da solicitação é uma área de 470 quilômetros quadrados, localizada no sul da Bahia e já reconhecida por especialistas e órgãos competentes, em estudos prévios, como pertencente aos Tupinambá de Olivença. Ninguém merece mais o título de "donos da terra" do que eles, uma vez que se trata do primeiro povo indígena a ter contato com os portugueses que vieram ao Brasil. Os relatos escritos desse encontro datam de meados do século 16.

O processo de demarcação já se arrasta há 15 anos, com uma primeira fase concluída em 2009. A proposta de Machado Neto é interromper esse processo para que um resort all inclusive, com 467 apartamentos e voltado prioritariamente para turistas estrangeiros, possa instalar-se na região.

Segundo Amanda Audi, autora da reportagem, a solicitação sem precedentes deixou os funcionários da Funai e pesquisadores indigenistas perplexos. Seria a primeira vez, desde a Constituição de 1988, que um órgão federal faz um lobby formal junto a outro, com direito a papel timbrado e tudo, solicitando a entrega de uma terra indígena para beneficiar a iniciativa privada – no caso, a rede hoteleira portuguesa Vila Galé, que, pelo visto, confia tanto em seu lobbista de estimação que já promete abrir as portas de seu novo empreendimento em 2021.

A trama denunciada pelo The Intercept envolve figuras de confiança do presidente com credenciais para lá de suspeitas. A encabeçar a fila, o próprio Machado Neto:

"Médico veterinário, amigo pessoal de Jair Bolsonaro, o presidente da Embratur é mais conhecido por ser sanfoneiro, dono de pousada e ter sido multado por desrespeitar a legislação ambiental. É um histórico que o credenciou, aos olhos do presidente de extrema-direita, a comandar o Instituto Brasileiro de Turismo, a Embratur, uma autarquia ligada ao Ministério do Turismo cuja atribuição é promover o país no mercado internacional", reporta Amanda Audi.

Outros políticos da região vêm fazendo campanha a favor do grupo português nas redes sociais, com o argumento principal de que geraria emprego e renda para a população local, negando a pecha de anti-indígena.

No entanto, a liderança Tupinambá acusa o lobby pelo empreendimento de acirrar conflitos para dividir a comunidade e defende a demarcação da terra não só por ser fonte de subsistência para os quatro mil indígenas, pescadores e marisqueiros artesanais que vivem ali, mas também considerando a preservação dos ecossistemas.

Leia AQUI na íntegra a reportagem de Amanda Audi para o The Intercept Brasil.

Talvez te interesse ler também:

ÓLEO NO NORDESTE: SE NÃO NOSSA, É DE QUEM A RESPONSABILIDADE? ...

DEPOIS DE SERGIPE, BAHIA DECRETA ESTADO DE EMERGÊNCIA. 2019 SE CONSOLIDA COMO O ANO DAS TRAGÉDIAS AMBIENTAIS NO BRASIL

DESASTRE SEM PRECEDENTES: O MEIO AMBIENTE PODE LEVAR DÉCADAS PARA SE RECUPERAR, DIZEM ESPECIALISTAS

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!