Meliponicultura: criação de abelhas sem ferrão que gera renda às comunidades tradicionais do Amazonas

  • atualizado: 
Meliponicultura

A Coopmel, Cooperativa dos Criadores de Abelhas Indígenas, desenvolveu uma atividade que garante uma série de serviços ambientais e ainda gera renda às comunidades tradicionais do Amazonas.

Trata-se da meliponicultura, uma atividade de beneficiamento do mel produzido pelas abelhas nativas sem ferrão da Amazônia, cuja derrubada de árvores para a coleta do mel, é proibida.

Além de proibirem a derrubada de árvores, os cooperados plantam árvores que fornecem alimentos para as abelhas, ajudando na preservação das florestas e na subsistência delas.

De acordo com Hélio Vilas Boas, técnico do Grupo de Pesquisas em abelhas do INPA (Instituto de Pesquisas da Amazônia), o Brasil tem duas certificações para a realização desse tipo de atividade: uma no Paraná, com as abelhas indígenas Jataí e outra no Amazonas, com as abelhas Jandaíra.

O município de Boa Vista do Ramos, próximo a Manaus, foi o primeiro a conquistar o Selo do Serviço de Estadual (SIE), para comercializar esse tipo de mel. Além da conscientização com relação à abelha e o meio ambiente e a preservação das florestas, a meliponicultura também oferece outros benefícios tanto para quem cultiva, quanto para quem adquire o produto.

Isso porque, as abelhas sem ferrão auxiliam na produção de outras culturas, pois elas polinizam o terreno onde estão suas colmeias. Melhor ainda é saber que 90% dos meliponicultores deixaram de aplicar defensivos agrícolas nas lavouras, elevando ainda mais a qualidade do mel.

Com isso, eles conseguiram o selo do Serviço de Inspeção Estadual (SIE), uma certificação muito importante que possibilita que o mel produzido seja comercializado nas lojas e supermercados do Estado. Esse selo atende aos padrões exigidos pelo Ministério da Agricultura e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o que indica que o mel produzido pela Coopmel está de acordo com as normas sanitárias exigidas para consumo humano.

Como surgiu a Coopmel?

A meliponicultura na região amazônica surgiu há mais de 15 anos como geração de renda, em parceria com a Imaflora, a Universidade Federal do Amazonas, o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e com o Sebrae.

Atualmente são 72 cooperados, entre homens, mulheres e jovens localizados em 12 comunidades em Boa Vista dos Ramos, em Manaus. O grupo tem o apoio da Prefeitura de Boa Vista dos Ramos e da Nordesta Reflorestamento e Educação, participando também do Programa de Aceleração da Plataforma Parceiros da Amazônia.

De acordo com o presidente da Coopmel, Jair Rodrigues Arruda, o maior desafio da cooperativa no momento é a logística, pois mercado tem e o preço é até acessível. No entanto, eles pretendem investir em gestão e planejamento estratégico.

Assim como é definida, a Coopmel é um "empreendimento da economia solidária", pois além de preservar as florestas e as próprias abelhas, ainda gera renda para as comunidades tradicionais do Amazonas. Isso faz dela um "negócio de impacto" e que continua em ascensão no Estado.

Precisamos de mais iniciativas como essa.

Talvez te interesse ler também:

FLORES IMPRESSAS EM 3D: NOVA FORMA DE SALVAR ABELHAS E INSETOS POLINIZADORES!

FLOW HIVE: A COLMEIA QUE RECOLHE MEL SEM PERTURBAR AS ABELHAS

VOCÊ SABIA QUE VEGANOS NÃO COMEM MEL? POR QUE NÃO COMEM?

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!