De quem é a responsabilidade sobre o lixo produzido no mundo?

O mundo é uma enorme pilha de lixo. Essa é a impressão que se pode chegar ao ler o recente estudo do UNEP e do ISWA sobre a "Gestão Global de Resíduos em Perspectiva". Dez mil milhões de toneladas de resíduos são gerados anualmente em todo o mundo - embora sete bilhões de toneladas de resíduos são provenientes de locais de demolição construções. O estudo centra-se apenas em resíduos sólidos urbanos, o que, de acordo com o UNEP e o ISWA, responde por dois bilhões de toneladas por ano.

Não é de surpreender que a geração de resíduos está altamente correlacionada com a renda nacional. Os padrões socioculturais e os fatores climáticos desempenham um papel importante também. No entanto, de acordo com o UNEP e o ISWA, há uma tendência para estabilização e, até mesmo, um ligeiro declínio na produção de resíduos nos países de alta renda. Esse fato é considerado como uma dissociação da produção de resíduos e do crescimento econômico, que pode ser associado a um certo nível de riqueza.

Para todas as regiões, com exceção dos países de alta renda, o volume de resíduos deve aumentar. As razões principais são o crescimento da população, a tendência para urbanização e o crescimento econômico. Em 2010, os países de alta renda (UE, Suíça, Noruega, EUA, Canadá, Austrália) foram responsáveis por mais da metade da produção de resíduos do mundo. O estudo assume que, em 2030, a China será o maior produtor de resíduos. Na segunda metade do século, a África assumirá esse título não muito lisonjeiro. Em geral, a produção de resíduos em países de alta renda é aproximadamente seis vezes maior do que em países em desenvolvimento. Mas há ainda variação considerável dentro dos países. Para exemplo, no Brasil, os intervalos de geração de resíduos são de 310 a 590 kg per capita, dependendo da região.

Existem também grandes diferenças na composição dos resíduos. Frações orgânicas compreendem de 50 a 70% dos resíduos gerados em países de baixa renda, enquanto nas cidades da Europa e América do Norte equivale a apenas 28%. Além disso, a natureza dos resíduos orgânicos difere. Nos países de renda média e baixa, a maioria dos resíduos orgânicos é "inevitável", uma vez que é a matéria orgânica que sobrou da preparação de alimentos frescos. Em países de alta renda, há uma grande quantidade de desperdício evitável de alimentos - comida que poderia ter sido comida. A porcentagem de resíduos de papel também é proporcional ao nível de renda. Enquanto nos países de alta renda a quantidade de papel no lixo é de 24%, é apenas de 11 a 19% nos de renda média e 6% em países de baixa renda. Em números absolutos, o consumo de papel é de 240 kg per capita na América do Norte, 190 kg em Euro, 40 kg na Ásia e 4 kg na África. A média mundial de consumo per capita encolheu 4% em 2012, em comparação a 2007.

Em contrapartida, o nível de resíduos de plástico não dependem muito dos níveis de renda. O percentual em todo o mundo varia entre 8 e 12%. No entanto, essas médias podem esconder variações consideráveis entre os países, com valores muito mais elevados, por exemplo, a Jordânia com 16% e a Mauritânia com mais de 20%.

Os níveis de outros materiais, tais como metais, vidro e têxteis, são relativamente baixos (6 a 12%). Parece haver um aumento pequeno, mas constante, nesses tipos de resíduo, com a renda maior.

Em geral, a composição dos resíduos afeta as suas características físicas, incluindo densidade, teor de umidade e valor calorífico, o que por sua vez impacta a gestão dos resíduos, a escolha da tecnologia para coletá-lo, o tratamento e a reciclagem. De acordo com o estudo do UNEP e ISWA, em países de alta renda, a densidade diminuiu, enquanto o valor calórico aumentou. Em países de baixa renda, é vice-versa.

Especialmente África, Ásia e América do Sul são afetadas pelo crescimento da população maciça. Por essa razão, a urbanização nessas regiões é particularmente distintiva. Das 28 megalópoles que são contadas hoje, somente duas estão na Europa e três na América do Norte. Em 2030, haverá mais de 12 megacidades - todas na região sul do mundo. E, mesmo em países de alta renda, a urbanização já é um fato: 80% das populações da Europa, Japão, Austrália e grande parte da América do Norte vivem nas cidades.

Também é notável que o estudo não foi capaz de identificar uma correlação entre as taxas de reciclagem e renda. Em geral, a taxa é mais elevada nos países de alta renda, mas vários países de baixa renda têm taxas de reciclagem entre 20 e 40% - geralmente devido ao setor informal. Em muitos países de renda média, a taxa é muito menor.

O estudo do UNEP e do ISWA contribui com uma grande quantidade de dados de uma forma credível. A única pergunta é: Quais são as conclusões que devem ser tiradas do estudo e que chama para a ação? O próprio estudo prevê quatro etapas de ação concretas:

foto: shutterstock

1. Prioridade absoluta para a gestão de resíduos em todo o mundo, especialmente nas grandes cidades. Em 2030, 100% da população do mundo deve ter acesso à coleta adequada dos resíduos e eliminação controlada.
2. Reduzir o perigo de resíduos nocivos com coleta seletiva e destinação adequada.
3. A prevenção dos resíduos e a reutilização. Especialmente em países de alta renda o foco tem que ser em evitar o desperdício de alimentos.
4. Fechar o ciclo de material com reciclagem e recuperação de energia

No entanto, por mais louváveis que essas metas sejam, elas são colocadas de um modo tão generalizado, que quase ninguém discorda delas. Por outro lado, isso significa que ninguém se sente diretamente responsável por implementá-las. UNEP e ISWA são incapazes de dar mais do que sugestões e fazer recomendações - e vai provavelmente continuar sendo assim, até porque, como também é ressaltado no estudo, a gestão de resíduos não tem a importância que deveria realmente ter.

Infelizmente é provável que estudos desta importância tampouco sejam levados a sério, uma porque alguns governos podem questionar os números e outra porque ainda tem gente que acha que o aquecimento global é uma farsa criada, não comprovada. Só podemos lamentar, pois a gestão do lixo é um assunto urgente e primordial para o bem-estar do planeta.

Fonte: Recycling Magazine

Leia também:

10 DICAS PARA DIMINUIR O LIXO PLÁSTICO NO DIA A DIA

Lixo orgânico na garupa da bicicleta

O PLANETA NÃO SUPORTA MAIS LIXO

Fonte foto: coletivoverde