A Nova Economia Climática: crescimento econômico com sustentabilidade é possível!

Nova Economia Climática

Foi lançado nesta última terça-feira um documento que aponta caminhos que unam desenvolvimento econômico à baixa emissão de carbono. Com autoria da Comissão Global sobre Economia e Clima – composta por Colômbia, Etiópia, Indonésia, Reino Unido, Noruega, Suécia e Coreia do Sul – o relatório se chama A Nova Economia Climática.

Um dos pontos mais notáveis do documento é que contraria uma filosofia vigente em muitos países em desenvolvimento, com destaque para o Brasil, que afirma que a ecologia e a sustentabilidade são entraves para o avanço econômico.

O relatório propõe uma série de mudanças de hábito de práticas econômicas, com adoção de energias renováveis nos próximos 15 anos, bem como o extremo cuidado com o solo, por meio de recuperação de terras degradadas e ainda pelo freio ao desmatamento, entre outras propostas. Tratam-se de ferramentas úteis para utilizar em iniciativas tanto públicas quanto privadas.

Assim, garantir-se-ia o emprego, por meio de uma mudança de parâmetro, princípios e até mesmo de filosofia econômica.

A equipe responsável pelo texto do relatório é formada por vários institutos de pesquisa e guiado por um grupo de economistas que inclui dois Prêmios Nobel.

É importante lembrar que o relatório não aparece como uma ação isolada. Em uma semana, será realizado um ato importantíssimo – e emergencial – a respeito do clima mundial. Trata-se da reunião de Cúpula do Clima em Nova York, que foi convocada pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a fim de preparar terreno para as negociações em Paris, 2015, onde diversas nações do mundo pretendem formular um acordo internacional que passe a vigorar até 2020.

Leia também: Energias limpas, energias renováveis ou energias alternativas?

Fonte: newclimateeconomy.report