ArBolivia: o combate ao desmatamento que preserva e gera renda

Em uma região remota da Bolívia, uma revolução silenciosa está crescendo: em centenas de parcelas de terra, espalhados por uma área do tamanho da Inglaterra, agricultores de subsistência em pequena escala estão lutando contra o desmatamento desenfreado através do plantio de centenas de milhares de árvores de madeira nativa.

Esse é o projetoArBolivia”, uma inovadora cooperativa de investimento verde que está usando dinheiro de investidores ocidentais em uma nova iniciativa de crowdfunding para financiar programas florestais em comunidades rentáveis de forma sustentável.

A idéia é criar um modelo de negócio que vai dar aos agricultores um incentivo financeiro duradouro para olhar para além da agricultura de corte e queima, diz John Fleetwood, cofundador do projeto britânico para angariar fundos. "Ele oferece algo bastante original - é uma solução de negócios para o desmatamento na América do Sul, que é escalável no longo prazo", diz.

Até agora, o “ArBoliviaajudou cerca de 1.000 agricultores que cultivaram mais de 1.400 hectares de floresta com o plantio de mais de 1,5 milhões de árvores nativas. Os agricultores são pagos em pequenos estipêndios para cuidar das árvores, e também recebem 50% dos lucros provenientes da madeira extraída.

Está previsto que nos próximos anos os agricultores participantes irão ganhar uma média de quase £ 58.000 cada, uma grande soma em um país onde a renda média é quase £ 1.600. "Normalmente, os agricultores dizem que vão passar esse dinheiro para seus filhos e netos, para educá-los e ajudá-los a escapar do ciclo da pobreza", diz Fleetwood.

Há um bônus adicional: por meio de cuidado florestal baseado em plantações, o projeto vai sequestrar cerca de 621 mil toneladas de carbono durante sua vida, o equivalente a um impacto de carbono anual de 30.000 famílias britânicas. E, ao contrário de muitos programas de desmatamento, que usam as monoculturas não nativas, os agricultores do "ArBolivia" ajudam a preservar a biodiversidade da região.

Os custos operacionais permanecem elevados: o projeto emprega cerca de 40 administradores bolivianos e assessores técnicos e executa sua própria serraria móvel.

Enquanto os investidores já têm apoiado o "ArBolivia" com a quantia de quase £ 5 milhões, o projeto precisa de um adicional de £ 1 milhão. É aí que o crowdfunding entra: o "ArBolivia" agora está executando uma campanha crowdfunding na esperança de levantar cerca de £ 250.000. Juntamente com as receitas de vendas de crédito de carbono, subvenções e outras fontes de receitas comerciais vão manter as luzes acesas até as receitas de madeira começarem a chegar, diz Fleetwood.

O esforço do crowdfunding já arrecadou mais de £ 60.000 desde que foi lançado no mês passado, e os organizadores esperam que a campanha irá introduzir o "ArBolivia" para uma nova geração de jovens, simpatizantes do "web-savy". Apoiadores de pequena escala receberão brindes em troca de seu apoio, mas qualquer um que der mais de £ 250 receberá ações do "ArBolivia", isto é, uma participação em eventuais lucros do projeto, uma estimativa de 5% de retorno anual.

Isso é fundamental para a filosofia por trás do "ArBolivia", pois, ao invés de simplesmente solicitar doações, os organizadores do grupo querem criar um projeto de autofinanciamento capaz de ser replicado em toda a América Latina, África e outras regiões onde há braços de pobreza e desmatamento.

Leia também:

OS 10 PRODUTOS MAIS COMUNS QUE CONTRIBUEM PARA O DESMATAMENTO

COMO AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PODEM INFLUENCIAR NA DIMINUIÇÃO DA POBREZA?

DESMATAMENTO: CELULARES ANTIGOS PODEM SE TORNAR GUARDIÕES DAS ÁRVORES