Costa Rica: o país mais limpo do mundo. Até 2021 Zero Plástico e Zero Carbono

  • atualizado: 
Costa Rica

Não é de hoje – que, como alguns dizem, está na moda a questão ambiental – que a Costa Rica se dedica a explorar alternativas para o uso de recursos renováveis.

O pequeno país centro-americano vem sendo um grande exemplo ambiental no mundo, já que, desde 2014, 99% da energia do país é oriunda de fontes renováveis e há dois meses tem conseguido chegar a 100% de aproveitamento, segundo informou o Intelligent Living.

Há dois anos, o país decidiu, também, eliminar o plástico – o primeiro país do mundo a tomar tal atitude. Em 2018, a Costa Rica anunciou que, até 2021, pretende tornar-se o primeiro país do mundo também a ficar livre do carbono.

O Instituto de Eletricidade da Costa Rica (ICE) emitiu um comunicado argumentando que: "basear [a geração de eletricidade] em recursos renováveis permite que o país alcance uma das menores proporções de emissões de gases do efeito estufa para o consumo de eletricidade no planeta".

O governo da Costa Rica, desde a década de 1980, é consciente de que a natureza é o seu principal ativo e vem fazendo desde então esforços para protegê-la: incluindo, entre outros, fechamento de parques zoológicos, reflorestamento e estabelecimento de áreas protegidas (25% da superfície total do país ).

A Costa Rica é abrigo de uma enorme biodiversidade e, por causa dela, o país vem demonstrado uma liderança ambiental ao buscar o reflorestamento, designando um terço do país de reservas naturais protegidas e retirando quase toda a eletricidade de energia hidrelétrica limpa.

No ano passado, no Dia Mundial do Meio Ambiente, o país anunciou seu novo plano nacional para erradicar todos os plásticos de uso único até 2021. O plástico já está sendo substituído por alternativas 100% recicláveis ou biodegradáveis e não à base de petróleo. Isso tem sido feito com o apoio técnico e financeiro do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

A economista Mónica Araya, especialista em sustentabilidade da Costa Rica e diretora da Costa Rica Limpia, que promove energia renovável e transporte elétrico, explica que:

"Livrar-se dos combustíveis fósseis é uma grande ideia vinda de um pequeno país. Essa é uma ideia que está começando a ganhar apoio internacional com o surgimento de novas tecnologias. Em um país que já está se afastando rapidamente dos combustíveis fósseis, concentrar-se nos transportes - um dos últimos grandes desafios - poderia enviar uma mensagem poderosa ao mundo ".

O presidente eleito este ano, Carlos Alvarado Quesada, está disposto a reduzir a carbonização, ao anunciar que a Costa Rica irá banir os combustíveis fósseis e tornar-se a primeira sociedade descarbonizada do mundo. Em um discurso, ele disse:

"A descarbonização é a grande tarefa de nossa geração e a Costa Rica deve ser um dos primeiros países do mundo a realizá-la, se não a primeira".

A Costa Rica Faz faz parte da Wellbeing Economies Alliance, uma coalizão que inclui Escócia, Nova Zelândia e Eslovênia, que, em vez de enfatizar o PIB dos países, "procura assegurar que a política pública avance o bem-estar dos cidadãos no sentido mais amplo, promovendo a democracia, a sustentabilidade e crescimento inclusivo ", informa uma recente coluna do economista Joseph Stiglitz.

Naturalmente a Costa Rica, por ser um país pequeno, mais facilmente consegue colocar em prática ações que asseguram o desenvolvimento sustentável, as quais são um modelo importante e fundamental para servir de experiência a países maiores e com necessidades energéticas mais robustas.

Tudo isso é exagerado?

A Agence France-Presse (AFP) que com em parceria com o Facebook tem um projeto de combate à desinformação, classificou nosso como conteúdo como "exagerado" por haver imprecisões.

Segundo a agência, "a Costa Rica não adotou medidas tão radicais".

Em resposta à AFP dissemos que prezamos por dar informações fundamentadas em fontes confiáveis, as quais linkamos sempre no texto para que o leitor possa se aprofundar ou checar a fonte da informação (links escritos em verde). Se por uma falta, inclusive de tempo no texto, nos tenha escapado de mencionar que o "zero plástico" descartável tinha exceções (como listamos em um artigo nosso sobre a normativa em Fernando de Noronha, onde se excluíam-se objetos plásticos hospitalares e outros, infelizmente, de uso ainda insubstituível) de certo não o fizemos para distorcer ou exagerar informações.

Sendo um site principalmente de notícia relacionada ao meio ambiente, restamos felizes com a grande repercussão do artigo, ainda que reputado "exagerado" porque fica como exemplo de gestão ambiental a qual sonhamos e gostaríamos de inspirar como um modelo de que um mundo melhor é possível.

E se nos faltou deixar clara a informação de que os projetos de lei que buscam fazer da Costa Rica um modelo "zero plástico e "zero carbono" ainda não foram aprovados pelo governo costa-riquenho, ou que os prazos para execução destes estão alargados, eles existem, inspiram e a divulgação deles ajuda com que sejam aprovados. Isso em nossa opinião não é exagerado!

A notícia, embora com algumas falhas e imprecisões humanas, segue o objetivo do site de levar esperança e mostrar ao público a possibilidade de se fazer bem à Terra.

Nós do GreenMe parabenizamos o Checamos da AFP pois temos um objetivo em comum: dar informações de qualidade ao leitor.

Talvez te interesse ler também:

COSTA RICA DE INCRÍVEIS BELEZAS NATURAIS: ONDE FICA, QUANTO CUSTA E O QUE VISITAR

NORUEGA SE RECUSA A PERFURAR O ÁRTICO PARA EXPLORAR PETRÓLEO

MATA ATLÂNTICA COMEMORA MENOR TAXA DE DESMATAMENTO DOS ÚLTIMOS 30 ANOS. 9 ESTADOS CHEGARAM AO DESMATAMENTO ZERO

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!