Solar Impulse 2 conclui sua volta ao mundo em 506 dias

solar-impulse-2

Há pouco mais de um ano, o Green Me fez uma matéria falando do início da volta ao mundo que seria feita pelo avião Solar Impulse ". Pois, finalmente, ele completou a sua volta ao mundo.

O Solar Impulse 2 é um avião diferente, porque é alimentado apenas com energia solar. Por isso, o fim de sua jornada parecia algo impossível de ser realizado. Mas os pilotos Bertrand Piccard e André Borschberg conseguiram alcançar esse objetivo em 506 dias, provando que é possível um avião voar sem combustível fóssil e emissões de poluentes.

Além dessa façanha incrível, eles conseguiram, também, quebrar o recorde de voo contínuo a energia solar, ao percorrerem cinco dias e cinco noites seguidas de Nagoya ao Havaí.

O inventor da cápsula pressurizada que permitiu o primeiro voo à estratosfera foi o avó do piloto Bertrand Piccard e seu pai foi o inventor do batíscafo, impulsionador do mergulho de profundidade. Ou seja, está no DNA da família superar limites e viver desafios. No caso do piloto, seu sonho é impulsionar a exploração científica de modo a proteger o meio ambiente.

O Solar Impulse 2 pousou ontem, por volta das 21h (horário de Brasília), em Abu Dhabi, completando a última etapa da viagem de volta ao mundo. O avião sobrevoou quatro continentes, dois oceanos e três mares, percorrendo cerca de 42 mil km em 17 escalas.

"Fantástico", foi a palavra que Piccard usou para descrever o feito ao pisar no Aeroporto Executivo de Al-Bateen, na capital dos Emirados Árabes Unidos, local de onde a aeronave partiu, em 9 de março de 2015, para dar início à saga. "Nós conseguimos!", comemorou o piloto.

solar impulse 2 3

O Solar Impulse 2 pesa 2,3 toneladas, o mesmo que um carro utilitário comum, tem uma envergadura maior que a de um Boeing 747 Jumbo e chega a 72 metros. Por isso foi apelidado de "avião de papel". Essas medidas garantem à aeronave sustentação para ser impulsionado por quatro hélices movidas por motores elétricos que funcionam com baterias alimentadas por uma rede de 17.248 células fotovoltaicas instaladas em suas asas.

Esse aparato todo fez o avião atingir uma velocidade média de 80 km/h durante a viagem em altitudes que passaram os 9 mil metros. Tal condição fez com que os pilotos usassem tanques de oxigênio para respirar no ar rarefeito e roupas especiais para enfrentarem as condições extremas na cabine, onde a temperatura podia oscilar de -20 graus a 35 graus Celsius.

O Solar Impulse 2 mostra que é possível pensarmos em um mundo melhor, que funcione com fontes energéticas limpas. "É um projeto para a energia, por um mundo melhor", disse Piccard pouco antes de partir para a última etapa da viagem, no Cairo, Egito.

Especialmente indicado para você:

SOLAR IMPULSE 2: A SEGUNDA ETAPA DA VOLTA AO MUNDO

SORA-E: PRIMEIRO AVIÃO ELÉTRICO DA AMÉRICA LATINA

Fonte: oglobotsf