3 capitais brasileiras recebem o prêmio Sustainable Transport Award 2015

3 capitais brasileiras recebem o prêmio Sustainable Transport Award 2015

Belo Horizonte, São Paulo e Rio de Janeiro receberam o Sustainable Transport Award 2015. Pela primeira vez em dez anos de premiação, houve um empate entre os premiados e o reconhecimento pelas conquistas na área da mobilidade e no reforço à qualidade de vida, foi para as 3 capitais brasileiras.

Tudo isso reconhece os esforços e a importância das conquistas brasileiras no aumento da mobilidade urbana, pela qualidade de vida em suas três maiores cidades, mesmo que tudo isso ainda pareça estar longe do ideal que buscamos.

O prêmio Sustainable Transport foi aceito pelo prefeito Marcio Lacerda, de Belo Horizonte, Laudemar Aguiar, Chefe de Relações Internacionais para o Rio de Janeiro, e Ciro Biderman, Chefe de Equipe da SPTrans.

O evento ainda contou com um discurso de Timothy Papandreou, Diretor de Planejamento Estratégico e política do SFMTA, que aceitou o prêmio representando a cidade de São Francisco, nos EUA, em 2012.

O que as cidades brasileiras têm feito pelo transporte sustentável

Em 2014, Belo Horizonte implementou os primeiros projetos de seu grandioso Plano de Mobilidade: um sistema rápido de ônibus de alto padrão, MOVE BRT. Suas operações começaram em dois grandes corredores, que compreendiam 23 km. A cidade também revitalizou seu centro, criando ruas somente para pedestres e implementando 27 km da rede planejada de ciclovias.

O prefeito Lacerda agradeceu ao comitê pelo reconhecimento dado às conquistas de Belo Horizonte.

O Rio de Janeiro vem investindo massivamente em transporte público, ao longo dos últimos anos. Em 2014, a cidade abriu o segundo, de um total de quatro sistemas BRT's planejados para as Olimpíadas de 2016, a Transcarioca. O corredor novo, de 39 km, leva cerca de 270 mil passageiros diariamente, mantendo a cidade no caminho certo para conquistar as metas do plano de mobilidade de 2016.

Na cerimônia, Aguiar demonstrou o trabalho massivo que a cidade tem conseguido realizar e o quanto se tem planejado e afirmou que até 2016, 60% dos cariocas terão acesso ao transporte coletivo; em 2009, eram 18%.

São Paulo tem se preocupado em expandir sua malha cicloviária em 2014, além de ter implantado 320 km de corredores exclusivos para ônibus, aumentando a velocidade média desses veículos em 21%.

A cidade está próxima a conseguir fazer os 400 km prometidos de ciclovias, em 2015, como parte de uma rede geral de 500 km. Esses são apenas alguns passos em um plano mestre ambicioso, que fez São Paulo a primeira megacidade a eliminar os estacionamentos mínimos e substituí-los por máximos, por toda a cidade.

Ao aceitar o prêmio, Biderman comentou que a falta de dinheiro não é sempre o que impede esse tipo de progresso.

A premiação

Criado em 2005, o Sustainable Transport Award tem sido oferecido todos os anos à cidade que implementar projetos inovadores e sustentáveis de transporte no ano anterior. Tais estratégias devem promover a mobilidade para todos os seus cidadãos, diminuir as emissões de gases pela queima de combustível, e ainda melhorar a segurança e o acesso aos ciclistas e pedestres.

Os finalistas e o vencedor são selecionados por um comitê internacional de especialistas em desenvolvimento e organizações que trabalham com transporte sustentável.

O Comitê, em 2015, foi formado por:

* Institute for Transportation and Development Policy

* EMBARQ, The World Resources Institute Center for Sustainable Transport

* Banco Mundial

* Transit Center

* GIZ (Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit)

* Clean Air Asia

* Clean Air Institute

* Transport Research Laboratory (TRL)

* ICLEI – Local Governments for Sustainability

Os últimos vencedores do Sustainable Transport Award foram: Buenos Aires, Argentina (2014); Cidade do México, México (2013); Medellín, Colômbia e São Francisco, EUA (2012); Guangzhou, China (2011); Ahmedabad, Índia (2010); Nova York, EUA (2009); Londres, Reino Unido (2008); Paris, França (2008); Guayaquil, Equador (2007); Seoul, Coreia do Sul (2006), e Bogotá, Colômbia (2005).

Leia também: Como seria o mundo sem carros?