Nível da água no Sistema Cantareira não aumentou, apesar do temporal em São Paulo

  • atualizado: 

Nível da água no Sistema Cantareira não aumentou

A chuva, acompanhada de mais de 2000 raios e de ventos de mais de 95 km/h e derrubou mais de 200 árvores em São Paulo, mas não fez com que o nível da água aumentasse no Sistema Cantareira. O parque do Ibirapuera teve que ser fechado devido à queda de mais de 30 árvores, pela primeira vez em 50 anos, e muitos outros transtornos, como falta de energia elétrica, inclusive com queda de postes de iluminação, e interrupção de uma linha de trem, incomodaram a população da Grande São Paulo nesta segunda-feira (29).

Entretanto, por ter se concentrado em regiões densamente habitadas da capital paulista, como o Ipiranga (29mm de precipitação), Vila Prudente (26mm) e Vila Mariana (25mm), o temporal não colaborou para o aumento dos reservatórios que abastecem a Grande São Paulo e encontram-se em níveis críticos, como o do Sistema Cantareira, que recebeu apenas 1,1mm de precipitação entre domingo e segunda-feira, o que foi suficiente apenas para que o nível do sistema se mantivesse nos mesmos 7,3% registrados ontem. Os 144,6 mm de precipitação no Sistema Cantareira ocorridos neste mês de dezembro estão bem abaixo da média histórica, de 220,9 mm.

Apesar disso, o sistema, que é o maior utilizado para abastecimento da população na Grande São Paulo, esboçou, nos últimos dez dias, a primeira recuperação desde abril, descontados os aumentos artificiais causados pelo uso de duas cotas do volume morto. Na comparação mês-a-mês, o sistema não tem aumento em seu volume desde abril de 2013. A dificuldade na recuperação se deve, além da precipitação abaixo da média histórica, ao efeito esponja causado pela exposição do solo no fundo dos reservatórios. O nível que chegou a baixar a 6,7%, aumentou para 7,4%, depois voltando a cair mais 0,1%.

O governo de São Paulo anunciou que irá aplicar tarifas maiores, a partir do próximo mês, para quem aumentar o consumo de água em comparação com a média de fevereiro de 2013 a janeiro de 2014. A "tarifa de contingência" - expressão usada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), que negou tratar-se de multa - será de 20% para quem incrementar seu consumo em até 20%, e de 50% para quem consumir aumentar seu consumo mais do que 20%.

O objetivo do governo é reduzir o consumo de água em 2,5 m³ por segundo. Para entender mais sobre a crise hídrica na Grande São Paulo, leia o relatório da Aliança Água SP.

Leia também: Enquanto a crise hídrica se agrava, grupo protesta plantando árvores

Fonte foto: Maíra Paulino via De olho no tempo

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!