/informar-se/biodiversidade/8484-numero-animais-florestas-reduziu-mais-metade

Número de animais das florestas reduziu mais da metade, alerta WWF

  • atualizado: 
arara-azul

A WWF, Fundo Mundial para a Natureza, publicou recentemente a primeira avaliação global da biodiversidade florestal. O relatório, intitulado "Bellow the Canopy" (“Abaixo da Copa das Árvores”, em português), alerta para a drástica redução do número habitantes das florestas. De acordo com o chamado Índice Específico de Florestas, as populações monitoradas de aves, mamíferos, anfíbios e répteis apresentaram um declínio médio de 53% desde a década de 1970.

Nos últimos dias, as imagens dos biomas brasileiros em chamas ganharam a atenção internacional. O mundo, aliás, vem acompanhando cada episódio do nosso drama particular, que afeta o planeta inteiro e envolve: povos tradicionais ameaçados, líderes indígenas assassinados, políticas que privilegiam grupos madeireiros, um governo que nega a realidade questionando dados científicos e, agora, cidades tomadas por fumaça, inclusive, São Paulo, a mais importante metrópole da América Latina.

E o pior: esse cenário para lá de grave pode estar subdimensionado.

Se o número de animais das florestas vem sendo reduzido, imagine o colapso após o recorde de queimadas que estamos vinvenciando este ano.

O estudo da WWF aponta que a redução nas populações dos animais ocorreu mesmo nas áreas ainda preservadas, um fenômeno que os especialistas denominam de “síndrome das florestas vazias”. Assim, a avaliação da saúde da vida selvagem tradicionalmente aceita, feita a partir da medição da cobertura florestal, não seria suficiente para a leitura geral do cenário atual, quando outros fatores pressionam as espécies, tais como caça ilegal, doenças e mudança climática, além do desmatamento em si.

"Para reverter o declínio da vida selvagem e a saúde de nossas florestas, é crucial abordar as múltiplas pressões sobre as espécies florestais, incluindo desmatamento, comércio ilegal de animais selvagens, caça insustentável, espécies invasoras, mudanças climáticas e doenças", diz Will Baldwin-Cantello, líder global em florestas da WWF. “Futuras estruturas globais e todas as futuras avaliações florestais globais devem incluir medidas diretas de biodiversidade florestal e mudança na cobertura florestal. Se não abordarmos ameaças abaixo da copa das árvores, corremos o risco de cair ainda mais na síndrome das "florestas vazias", onde as árvores permanecem, mas grande parte da vida selvagem é perdida".

Segundo nota publicada pela WWF Brasil, o projeto de lei 3.729 de 2004, que tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados, pode agravar a situação. Se aprovada, a PL modificará toda a legislação de licenciamento ambiental, permitindo a realização de obras de infraestrutura sem levar em conta estudos em relação ao impacto indireto no meio ambiente.

"Essa legislação faz o Brasil retroceder aos anos 1970, quando o governo militar abriu estradas e construiu hidrelétricas na Amazônia sem tomar qualquer cuidado socioambiental, o que levou à dizimação de povos indígenas, ao desmatamento acelerado e a muita violência ", avalia o diretor de Justiça Socioambiental do WWF-Brasil, Raul Valle. "Em função do desastre ocorrido, passamos a exigir, inclusive por pressão de financiadores internacionais, a elaboração de estudos e adoção de medidas de controle antes da aprovação de obras com grande impacto ambiental. Estamos voltando quarenta anos no tempo”, alertou.

Talvez te interesse ler também:

A PRAGA DO PLÁSTICO NOS LUGARES MAIS REMOTOS DA TERRA: AGORA NO GELO DO ÁRTICO

A NORUEGA É OU NÃO É UM PAÍS PREOCUPADO COM O MEIO AMBIENTE?

BOLSONARO ASSINA DECRETO PARA O BEM-ESTAR ANIMAL, MAS RODEIO SEM MAUS TRATOS NÃO EXISTE!

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!