Novas plantas brasileiras foram descobertas e já correm o risco de desaparecerem

  • atualizado: 
bertolonia duasbocaensis

Nos últimos tempos foram 3 bertolonias (Bertolonia duasbocaensis, B. macrocalyx e B. ruschiana), no Espírito Santo, uma ocotea (Ocotea koscinskii Baitello & Brotto) na Mata Atlântica, em São Paulo e Paraná e mais 600 espécies nos campos baixos da Região Amazônica.

Algumas dessas recém-descobertas já estão, no entanto, em perigo de desaparecerem pois os biomas onde foram encontradas sofrem com as pressões antrópicas que os destroem, dia a dia.

As bertolonias do Espírito Santo

As duas primeiras bertolonias - Bertolonia duasbocaensis e B. macrocalyx - são endêmicas do Espírito Santo e ocorrem em região muito próxima, nos municípios de Cariacica e Viana - estas já são classificadas como criticamente ameaçadas de extinção (CR).

bertolonias espírito santo
Foto da Bertolonia dosbocaensis

bertolonia macrocalyx

Foto da Bertolonia macrocalyx

A terceira espécie de Bertolonia, B. ruschiana, é encontrada em uma zona mais ampla - nos municípios de Santa Leopoldina, Santa Maria de Jetibá e Santa Teresa - e foi classificada como ameaçada de extinção (EN).

bertolonia ruschiana

Foto da Bertolonia ruschiana

Estas espécies da família Melastomataceae encontram-se em região não totalmente protegida e, como são endêmicas, essa é a pressão que as coloca em sério risco. Acabadas de se descobrir e já em risco de deixarem de existir.

É bom lembrar que, quando uma espécie desaparece a perda é toda nossa, da humanidade, pois deixamos de usufruir de seu potencial medicinal, alimentício, equilibrador do ecossistema e muito mais que ainda nem sequer sabemos o que poderá ser. É como jogar o futuro, sem abrir, na lata do lixo.

A ocotea do Instituto Florestal

Uma ocotea é uma canela - esse é o nome leigo, o nome que o povo conhece. Esta, Ocotea koscinskii Baitello & Brotto, é uma árvore grande, de tronco ereto, bonita como só e que foi identificada em algumas das áreas protegidas em parques estaduais no estado de São Paulo. A notícia foi dada aqui e, pelo menos essa espécie ainda não foi catalogada como em risco.

Mas, as canelas são plantas - árvores ou arbustivas - da Mata Atlântica e este é um dos biomas mais ameaçados do nosso país.

600 novas espécies na Amazônia

Essas novas 600 espécies são samambaias, musgos e flores que povoam uma vegetação rasteira, no topo dos morros acima dos 800 metros de altitude, na Serra dos Carajás, áreas conhecidas como cangas.

Qual a sua importância? Ainda não sabemos porém, o que se sabe é que o bioma da Floresta Amazônica é o mais desconhecido do país com somente 11 espécies descritas até o momento. Compare-se com a Mata Atlântica, que tem 15 mil espécies conhecidas, e que é infinitamente menor do que a Floresta Amazônica, e se poderá ter uma ideia do tanto que ainda nos falta conhecer do que por lá existe como afirma a botânica Ana Maria Giuliette, uma das coordenadoras do projeto, ao lado do botânico Pedro Viana (veja mais no artigo do UOL).

Assim, de descoberta em descoberta, vamos também encontrando novos usos, medicamentos interessantes, princípios ativos que não conhecíamos, alimentos potenciais e, toda esta riqueza, patrimônio da Humanidade, nos é cedida pela Natureza, a mesma que lutamos para preservar contra os avanços do progresso e do desenvolvimento que, na verdade, não se preocupa com os recursos naturais que o planeta dispõe.

Especialmente indicado para você:

setaAMANTE DA BOTÂNICA? CONHEÇA O APLICATIVO QUE RECONHECE PLANTAS

1seta0 PLANTAS TÓXICAS QUE O BRASILEIRO TEM EM CASA

seta18 PLANTAS QUE VÃO TE AJUDAR A REPELIR OS INSETOS DA CASA E PRAGAS DO JARDIM

Foto capa: Bertolonia duasbocaensis por Renato Goldenberg