O lince ibérico, felino mais ameaçado do mundo, está renascendo

Ou ainda, quando a luta pela preservação das espécies ameaçadas começa a dar seus resultados. É uma alegria, uma vitória de todos os ambientalistas, sejam de onde forem, e foi por isso que, desde Portugal, recebi essa linda história de vida que reproduzo para vocês, leitores do GreenMe Brasil.

Essa é a história dos linces ibéricos. Há poucos anos atrás estavam praticamente extintos por destruição de seus habitats naturais consumidos pelos imensos incêndios florestais que, a cada verão, explodem nas secas montanhas de Portugal e Espanha. Alguns casais, criados em cativeiro, foram soltos, na esperança de que se reencontrassem, cruzassem e gerassem populações viáveis. Há 2 anos me lembro de ter lido que alguns casais de linces haviam sido encaminhados para áreas de parque em Portugal e Espanha. Foram seguidos, muitos morreram pelo caminho.

Mas este ano já se nota um incremento da sua reprodução. Quer dizer, os novos casais de linces ibéricos monitorados estão dando crias viáveis. E isso é uma alegria.

Segundo o site da WWF, “o lince Ibérico (Lynx pardinus) é a espécie de felino mais ameaçada do Mundo, estando numa situação crítica a nível mundial”. Este felino tem como área de distribuição as montanhas rochosas entre Portugal e Espanha, e não mais e só existem duas populações reprodutoras deste animal, em Serra Morena, com um número menor de 150 indivíduos adultos, em franco declínio sendo classificado pela União Internacional de Conservação da Natureza (UICN) como criticamente ameaçado. O problema é que as duas populações estão isoladas entre si o que ainda as torna mais vulneráveis.

Mas, como existe esperança, também existem crias e, Lila, uma fêmea de lince-ibérico nascida em 2014 em Silves, Algarve, Portugal e libertada nos Montes de Toledo, em Espanha, teve uma ninhada de três crias nascidas em liberdade. Leia mais pormenores aqui sobre a história de Lila e seus filhotes. E esta não é a única ninhada pois, outra fêmea, Kea, deu à luz três pequenos linces na mesma região. Então já são quatro as ninhadas confirmadas, 14 novas crias e a alegria é grande entre os que, na península ibérica, lutam pelo restabelecimento da espécie em sua área natural.

E você me perguntará, mas para que interessa essa notícia em um jornal brasileiro? Bem, a resposta é a seguinte: para nós, cidadãos do planeta Terra, deve interessar tanto a recuperação das populações de lince ibérico quanto as do nosso mico-leão-dourado, ou da baleia azul, ou do tubarão de galha preta, ou da águia real das montanhas do Tibet. Enfim, se temos a pretensão de estarmos em sintonia com a preservação da Mãe Terra, então todas essas boas novas nos devem interessar, você não acha?

Leia também:

DINDIN, O PINGUIM QUE ADOTOU O PESCADOR

GOLFINHOS, TARTARUGAS E A DESUMANIDADE DE TURISTAS QUE FAZEM SELFIE

UM CORREDOR ECOLÓGICO PARA SALVAR PRIMATA NO AMAZONAS

fonte: Wilder