Quilombo Boa Esperança recebe certificação do Estado

Quilombo Boa Esperança

No dia 2 de fevereiro deste ano, foi publicado no Diário Oficial da União a certificação da comunidade remanescente de Quilombo Boa Esperança, localizado no município de Mateiros, região do Jalapão, no estado do Tocantins. A certificação de comunidade reconhecida pelo Estado em que uma aldeia/etnia reside, é de extrema importância para fomentar melhores condições de vida.

De posse do certificado, emitido pela Fundação Cultural Palmares, agora a comunidade terá o direito de receber uma sequência políticas públicas em diversas áreas, garantidas em lei, e também fazer parte de programas governamentais como o Mais Médicos.

Ciente dos benefícios que a certificação trará para a comunidade, Adão Ribeiro Cunha, presidente da Associação da Boa Esperança, comemorou o fato: “Agora vamos poder fazer muita coisa, com o título de comunidade vamos buscar parcerias, principalmente do governo, para implantar projetos para ajudar nosso povo”.

Outro problema detectado por Cunha é o isolamento da comunidade e que o certificado representa uma “porta” para melhorias em Boa Esperança.

E para o professor universitário e pesquisador da cultura quilombola, Wolfgang Teske, confirma que o reconhecimento é essencial por duas razões: "Essas comunidades estão na terra há anos, mas não têm a titularização. Com a certificação, a terra é regularizada”, e conclui: "Sem a certificação, eles ficam desassistidos, sofrem preconceito e não conseguem ter acesso a vários benefícios e programas sociais. É questão de direitos humanos. Essas pessoas estão à margem da sociedade e muitos são discriminados até mesmo na cidade, onde está localizado o quilombo".

Do lado do Governo Federal, a Agência de Defesa Social, responsável pelas políticas da região, irá realizar ações de melhorias e apoio à comunidade, bem como a preservação da cultura local, conforme afirmou a assessora técnica da Agência, Bárbara Rosimar de Souza.

Com a certificação da Quilombo Boa Esperança, fez o cadastro socioeconômico de mais de 37 comunidades e outras cinco estão com o processo em andamento.

Se você não sabe o que é Quilombolas e qual é a sua importância cultural, saiba que Quilombolas era a designação dada aos escravos refugiados em quilombos. Hoje mais de duas mil comunidades estão espalhadas pelo território nacional e ainda se mantêm atuantes em relação aos seus deveres e costumes.

Lutando pelo direito de propriedade de terras finalmente reconhecido em nossa Constituição de 1988 e também por melhores condições de vida, saúde e educação básica do campo, que se caracteriza com a algumas partes da educação do ensino tradicional, mas com diferenças como o regime de alternância no ensino, as comunidades Quilombolas estão espalhadas por quase todos os estados da União. Entre eles Paraíba, Pernambuco, Bahia, Pará, Maranhão, Goiás, Rio de Janeiro, Amapá, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Mato Grosso, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Leia também: Índios ameaçados de extinção por madeireiros

Fonte foto: wikipedia.org